A presidente da Câmara Municipal de Abrantes esteve presente no IX Encontro Ibérico de Parques Científicos e Tecnológicos, evento que decorreu este mês na sede do Parque Científico da Extremadura, em Badajoz (Espanha), e que juntou os Parques de Ciência e Tecnologia dos dois países.

Pretendeu-se a convergência e o alinhamento dos parques tecnológicos ibéricos para responder às prioridades da estratégia europeia na área da inovação, dotando-os de maior competitividade e visibilidade na Zona Euro, com o desenho dos parques no contexto de desenvolvimento de cidades inteligentes, como motor de desenvolvimento regional.

As temáticas abordadas foram as infraestruturas e serviços empresariais dos parques, as atividades em rede entre empresas portuguesas e espanholas e as formas de financiamento, com especial destaque para o programa comunitário Horizonte 2020.

A autarca de Abrantes, que preside à direção da TECPARQUES – Associação Portuguesa de Parques de Ciência e Tecnologia, abordou o papel dos parques tecnológicos em Portugal – nos quais se inclui o TAGUSVALLEY – Parque Tecnológico do Vale do Tejo, em Abrantes -, enquanto facilitadores de políticas nacionais e europeias e da relação privilegiada dos mesmos com os municípios, as universidades e os centros de inovação e desenvolvimento.

No retrato traçado sobre a estratégia nacional dos parques tecnológicos e do valor que acrescentam à economia, Maria do Céu Albuquerque destacou o “papel que urge desenvolverem no incremento das exportações, a integração de quadros altamente qualificados nas empresas, e a fixação de investimento externo”.

Abordando a estratégia europeia para a inovação na linha do Horizonte 2020, a autarca de Abrantes defendeu como “vital o trabalho conjunto dos parques tecnológicos da Península Ibérica na assunção de um lobby de liderança”.

O X Encontro Ibérico de Parques Científicos e Tecnológicos realiza-se em 2016 em Portugal.

Mário Rui Fonseca

A experiência de trabalho nas rádios locais despertaram-no para a importância do exercício de um jornalismo de proximidade, qual espírito irrequieto que se apazigua ao dar voz às histórias das gentes, a dar conta dos seus receios e derrotas, mas também das suas alegrias e vitórias. A vida tem outro sentido a ver e a perguntar, a querer saber, ouvir e informar, levando o microfone até ao último habitante da aldeia que resiste.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *