Fabíola Cardoso levou o tema da Central do Pego à Conferência sobre o Futuro da Europa. Créditos: BE

A deputada do Bloco de Esquerda eleita pelo círculo eleitoral de Santarém, Fabíola Cardoso, participou esta segunda-feira, dia 6 de dezembro, na “Conferência sobre o Futuro da Europa”, tendo levado o tema do fecho da Central do Pego à discussão que se realizou no Auditório da Escola Superior de Saúde de Santarém.

Na sua intervenção, a parlamentar bloquista evocou o recente encerramento da Central do Pego, em Abrantes, para salientar a necessidade de apoiar “as pessoas que lá trabalhavam e a atividade económica local”, de forma a assegurar uma “transição necessária mas que deve ser também deve ser justa” socialmente.

A bloquista demonstrou-se, ainda, preocupada com “a substituição da produção no Pego por mega parques solares, que se estão a instalar na nossa região, muitas vezes em terrenos agrícolas e florestais, propriedade de grandes empresas estrangeiras que quase não criam trabalho nem benefícios para as populações locais”, deu conta o BE em nota de imprensa.

Para a eleita de Santarém, “é necessária a descarbonização da produção energética, mas tem que se garantir a proteção dos interesses da região e dos trabalhadores”. Fabíola Cardoso rematou, assegurando que “trocar carvão por solar, mas manter o modelo económico de produção é desperdiçar a oportunidade de beneficiar, não só o ambiente mas também as populações”.

Fabíola Cardoso leva Central do Pego à Conferência sobre o Futuro da Europa. Créditos: BE

Além da deputada do Bloco de Esquerda, o painel contou com as presenças da ministra da Agricultura, Maria do Céu Antunes, em representação do Governo; com o presidente da direção do Conselho Nacional de Juventude, João Pedro Videira; e do presidente do Conselho Nacional do Ambiente e do Desenvolvimento Sustentável, Filipe Duarte Santos.

Mário Rui Fonseca

A experiência de trabalho nas rádios locais despertaram-no para a importância do exercício de um jornalismo de proximidade, qual espírito irrequieto que se apazigua ao dar voz às histórias das gentes, a dar conta dos seus receios e derrotas, mas também das suas alegrias e vitórias. A vida tem outro sentido a ver e a perguntar, a querer saber, ouvir e informar, levando o microfone até ao último habitante da aldeia que resiste.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *