Reunião de Câmara Municipal de Abrantes. Créditos: mediotejo.net

Na última reunião de Câmara de Abrantes, o executivo municipal levou para conhecimento cinco relatórios anuais, relativos a 2021, do Cartão Sénior, da Rede Social, do projeto ‘Alimentos para todos’, da medida ‘Fique em casa e em segurança’ e do serviço de Teleassistência Fixa ao Segmento Sénior. A vereadora Raquel Olhicas (PS) deu conta de algumas conclusões.

Desde o dia 2 de agosto de 2021 que está disponível no concelho de Abrantes o Cartão Sénior, dirigido aos munícipes de 65 ou mais anos e que dá descontos em bens e serviços do Município. Com quatro meses de avaliação, o relatório anual, apesar do cartão ser gratuito, deu conta de serem 10 os abrantinos que recorreram ao Cartão Sénior, número que o executivo municipal considera “significativo”, tendo em conta “as limitações” da pandemia de covid-19.

“À luz da promoção da atividade física e tendo em conta a situação de pandemia em que os idosos, muitas vezes, sofrem de isolamento, distanciamento social, imobilidade nas suas próprias casas, o município decidiu implementar um cartão sénior”, começou por explicar a vereadora Raquel Olhicas (PS), na reunião de executivo realizada na terça-feira, dia 25.

O Cartão pretende facultar apoio e benefícios financeiros à população mais idosa em diversas áreas, como a social, cultural, desportiva e recreativa, assim como contribuir para a dignificação das suas condições de vida.

O executivo pretende agora “alargar os critérios de inclusão” e alterar o regulamento “porque neste momento alguns critérios estão vocacionados para estratos económicos desfavorecidos e vamos aumentar. Temos também a possibilidade e vamos convidar algumas empresas e entidades que através de um acordo com a Câmara podem aderir ao Cartão Sénior para que os mesmos tenham benefícios”, acrescentou a vereadora socialista responsável pela Ação Social.

Os idosos do concelho de Abrantes aderentes ao Cartão Sénior têm benefícios ao nível de descontos em bens e serviços municipais, tais como nas Piscinas Municipais (Hidroginástica, Hidroterapia e utilização livre), no Estádio Municipal (Sauna e Jacuzzi ou Sala de musculação e reabilitação), assim como nos serviços prestados pela Biblioteca Municipal António Botto.

Para Raquel Olhicas, os idosos “passam a ser promotores do seu próprio projeto de vida porque a partir dos 65 anos as pessoas pensam que estão mais isoladas, que já não estão preocupados com a contribuição delas próprias para a promoção de uma sociedade muito mais pró-ativa e sentem-se muito úteis na sociedade. Mesmo ao nível destas atividades psicomotoras, vão implementando as suas ideias e vão fazendo a partilha de conhecimentos com os outros cidadãos”, destacou.

ÁUDIO | VEREADORA RAQUEL OLHICAS:

Também as conclusões do relatório anual sobre a Rede Social foram levadas a reunião de Câmara para conhecimento. São 73 as instituições que constituem atualmente a Rede Social no concelho de Abrantes.

“Onde são discutidos em plenário de CLAS – Conselho Local de Ação Social. Fizeram no ano passado quatro reuniões – março, abril, setembro e dezembro -, debatem-se projetos extraordinários, as nossas associações não estão paradas, ao nível de tecido sénior, fazem atividades no âmbito da prevenção da saúde mental”, disse a vereadora, sugerindo que os vereadores da oposição conheçam a realidade das associações e não se limitem a “teses de mestrado” ou “frases batidas” apresentando ideias “completamente desgarradas da realidade”.

A Rede Social possui um órgão executivo, o núcleo executivo, que a vereadora considera “muito pró-ativo”, tendo realizado 22 reuniões em 2021 “apesar deste período de contingência e de restrição”, salientou. Informou também que a Rede Social participa em plataformas concelhias.

ÁUDIO | VEREADORA RAQUEL OLHICAS:

No âmbito dos relatórios anuais de 2021 do projeto ‘Alimentos para todos’ e da medida ‘Fique em Casa e em Segurança’ Raquel Olhicas explicou também que o Município, tendo em conta a pandemia, “teve de adotar medidas excecionais que façam face a situações de carência alimentar. Sabemos que as nossas crianças, muitas vezes, a única refeição que têm é na escola e portanto quisemos dar suporte e apoio nutricional”, deu conta.

Com a pandemia “muitas famílias estruturadas que se viram privadas de ir ao trabalho ficaram com imensos cortes, ao nível de rendimentos mensais e sentiram também muita necessidade. A Câmara de Abrantes teve a porta constantemente aberta e constantemente frequentada por estas solicitações, muitas pessoas não tinham que comer e recorreram à Câmara Municipal de Abrantes”, acrescentou.

Assim, em 2021, foram entregues 316 cabazes, foram apoiados um total de 840 indivíduos, sendo que, segundo Raquel Olhicas, o programa ‘Alimentos para todos’ “continua a ter muita afluência”.

Associado ao programa, a Câmara criou a medida ‘Fique em Casa e em Segurança’ destinado a pessoas confinadas. “A Câmara de Abrantes assume a entrega de alimentos e medicação a estas pessoas que não podem sair. Foi criada uma linha de apoio precisamente para estas entregas ao domicílio”, explicou.

Pela linha telefónica foram então realizados 411 contactos e um total de 107 entregas ao domicílio no ano passado no concelho de Abrantes, sendo que 50% das entregas ocorreram nas freguesias de Abrantes e Alferrarede e em Alvega e Concavada recorreram cerca de 22% das pessoas. As mulheres foram quem recorreu mais a este serviço, cerca de 83%.

ÁUDIO | VEREADORA RAQUEL OLHICAS:

E por fim o relatório anual relativo ao serviço de Teleassistência Fixa ao Segmento Sénior, uma medida implementada desde 2011, na sequência de um protocolo entre a Câmara Municipal de Abrantes e a Cruz Vermelha Portuguesa, um serviço que, de acordo com Raquel Olhicas, conta com uma adesão “muito contínua”.

Dar uma resposta imediata em situações de urgência e apoiar nos momentos de solidão são os principais objetivos do Serviço de Teleassistência dirigido à população sénior do concelho de Abrantes.

Trata-se de um projeto com critérios de inclusão que consiste na instalação de um aparelho em casa do utente, que funciona 24 horas por dia e 365 dias por ano e que, quando acionado, é ligado à central de atendimento especializado da Cruz Vermelha que garante uma resposta imediata para o problema reportado, com ligação aos bombeiros, PSP, GNR, Hospital e Centro de Saúde, podendo ainda acionar o alerta junto de familiares ou vizinhos.

“Temos um total de 20 aparelhos de teleassistência, neste momento estão 15 em utilização permanente […] temos tido um feedback muito bom e um balanço muito positivo”, notou.

ÁUDIO | VEREADORA RAQUEL OLHICAS:

Este serviço dirige-se a todos aqueles que se encontrem em situação de vulnerabilidade ou dependência, decorrentes da idade, doença prolongada, incapacidade, isolamento ou condições económicas precárias.

Para poder usufruir deste serviço, os beneficiários deverão ter residência no concelho de Abrantes, ter idade igual ou superior a 65 anos e possuir rede fixa de telefone.

Com este serviço, a Câmara Municipal de Abrantes pretende implementar medidas e ações que possibilitem a permanência das pessoas em situação de dependência no seu domicílio, garantindo a sua qualidade de vida e que permita, igualmente, que os familiares possam estar mais próximos e tranquilos quanto aos ascendentes.

Paula Mourato

A sua formação é jurídica mas, por sorte, o jornalismo caiu-lhe no colo há mais de 20 anos e nunca mais o largou. É normal ser do contra, talvez também por isso tenha um caminho feito ao contrário: iniciação no nacional, quem sabe terminar no regional. Começou na rádio TSF, depois passou para o Diário de Notícias, uma década mais tarde apostou na economia de Macau como ponte de Portugal para a China. Após uma vida inteira na capital, regressou em 2015 a Abrantes. Gosta de viver no campo, quer para a filha a qualidade de vida da ruralidade e se for possível dedicar-se a contar histórias.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado.