Edifício da Escola Básica (2º e 3º ciclo) e Secundária Octávio Duarte Ferreira, em Tramagal. Créditos: CMA

A empreitada de “Reabilitação da Escola Básica e Secundária Octávio Duarte Ferreira”, em Tramagal, foi adjudicada por cerca de 800 mil euros à empresa ‘MWT – Metalworking Technologies, Lda’ e tem um prazo de execução previsto de 180 dias. A obra está na fase de “plano de trabalhos”, segundo o presidente da Câmara de Abrantes, devido à fase de remoção das coberturas em fibrocimento.

O projeto de execução relativo à empreitada da Escola Básica (2º e 3º ciclo) e Secundária Octávio Duarte Ferreira, em Tramagal, foi aprovado em abril de 2021 e agora adjudicada a empreitada de reabilitação à empresa ‘MWT – Metalworking Technologies, Lda’.

A requalificação do edifício, da responsabilidade da Câmara Municipal de Abrantes, foi adjudicada pelo montante de 773.756,28 euros (acrescido de IVA à taxa legal em vigor), de acordo com o relatório final do júri do procedimento, deu conta o presidente da Câmara, Manuel Jorge Valamatos (PS), em reunião de executivo a 8 de fevereiro.

“O que nos interessa é que a escola possa entrar rapidamente em obras”, começou por dizer o presidente. Mas na verdade ainda não há data para o inicio da intervenção, porque a remoção das coberturas em fibrocimento “vai condicionar o planeamento” da intervenção, admitiu.

“Vamos fazer o plano de trabalhos porque é uma questão de muita sensibilidade, que é remoção de fibrocimento com alunos. Se tivéssemos uma solução para enquadrar aqueles alunos noutra estrutura, mas são muitos alunos, não é fácil”, justificou.

ÁUDIO | PRESIDENTE DA CM ABRANTES, MANUEL JORGE VALAMATOS:

Uma obra considerada “importantíssima” pelo presidente da autarquia, que vai permitir uma intervenção global ao nível da “substituição das coberturas com fibrocimento por painéis sanduíche de modo a melhor o comportamento térmico do edifício, do reforço estrutural das platibandas, substituição da estrutura das galerias exteriores e das respetivas coberturas, a par da substituição das caixilharias e estores dos vãos exteriores”.

Por outro lado, o investimento inclui ainda “pinturas dos elementos de betão existentes, paramentos, platibandas e juntas de dilatação, substituição e reposição dos pavimentos interiores em mosaico cerâmico, substituição de portas degradadas, remodelação das instalações sanitárias, criação de um percurso acessível para pessoas com mobilidade condicionada, substituição de instalações elétricas, e implementação de sistema de segurança contra risco de incêndios nos edifícios”, enumerou Manuel Jorge Valamatos.

A escola ficará apetrechada com 10 salas de aula de 2º ciclo; 10 de 3º ciclo e cinco de secundário. O projeto obteve parecer positivo da DGEstE – Direção-Geral dos Estabelecimentos Escolares.

Recorda-se que para assegurar a requalificação e modernização desta escola, o Ministério da Educação e o Município de Abrantes estabeleceram um acordo de colaboração, através do qual o Ministério transferiu para a Câmara Municipal a competência da administração e gestão da empreitada a executar no âmbito do Programa Operacional Regional Centro 2020, para efeitos de candidatura a fundos comunitários.

De acordo com o estabelecido, o Estado Português e o Município suportarão em partes iguais o pagamento de metade do valor da contrapartida pública nacional da empreitada.

Paula Mourato

A sua formação é jurídica mas, por sorte, o jornalismo caiu-lhe no colo há mais de 20 anos e nunca mais o largou. É normal ser do contra, talvez também por isso tenha um caminho feito ao contrário: iniciação no nacional, quem sabe terminar no regional. Começou na rádio TSF, depois passou para o Diário de Notícias, uma década mais tarde apostou na economia de Macau como ponte de Portugal para a China. Após uma vida inteira na capital, regressou em 2015 a Abrantes. Gosta de viver no campo, quer para a filha a qualidade de vida da ruralidade e se for possível dedicar-se a contar histórias.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado.