Foto: DR

A situação de redução dos transportes públicos no período pós pandemia está a ser acompanhada pela Câmara Municipal de Abrantes (CMA), deu conta a autarquia presidida por Manuel Jorge Valamatos (PS) garantindo estar a “contribuir para soluções que minimizem os efeitos da redução de alguns circuitos” no concelho e na região envolvente.

Isto porque a Rodoviária do Tejo, entidade privada que faz a gestão dos transportes urbanos e interurbanos de Abrantes, permanece em situação de lay-off pelo que ainda não oferece condições para o restabelecimento integral da oferta de autocarros, sendo assegurados apenas os chamados serviços mínimos.

Não sendo competência das câmaras municipais fazer a gestão destes transportes, a Câmara de Abrantes deu hoje conta de estar a diligenciar “várias iniciativas no sentido de contribuir para atenuar os efeitos da redução de circuitos”.

O vereador João Gomes explica que “todas as questões que têm chegado à CMA relacionadas com problemas de transportes têm sido resolvidas, caso a caso, através da própria Câmara, da Comunidade Intermunicipal do Médio Tejo (CIMT) e das Juntas de Freguesia envolvidas”.

Os serviços essenciais de transporte público que o concessionário Rodoviária do Tejo se encontra a realizar desde o início do estado de emergência, estão a ser financiados pelo Município de Abrantes através do programa PART (Programa de Apoio à Redução Tarifária), o qual é cofinanciado pelo Fundo Ambiental e pelo Município de Abrantes, no valor de 11.552,44 euros mensais.

É o caso dos transportes urbanos, estando a funcionar os circuitos da linha verde (urbana de Alferrarede) e da linha vermelha (urbana do Rossio). A linha Amarela (urbana da Chainça) está temporariamente suspensa.

Relativamente às localidades de Casais de Revelhos, Paúl e Abrançalha, cujas populações estão sem acesso a autocarro há várias semanas, a CMA e a Junta de Freguesia de Abrantes e Alferrarede “estão a trabalhar em conjunto numa solução que possa minimizar este constrangimento” assegura o Município.

A responsabilidade dos restantes transportes na região foi transferida para a CIMT, estando a decorrer várias negociações no sentido de agilizar as situações mais críticas.

Em alternativa, o Município lembra que o concelho de Abrantes é também servido pelos circuitos do “Transporte a Pedido”, com tarifas reduzidas no âmbito do PART. À semelhança do transporte coletivo regular, tem circuitos, paragens e horários definidos. O cliente é que desencadeia a viagem, através do seu pedido para uma central de reservas. Oferece ligações dentro do concelho de Abrantes e ligações diretas e rápidas entre as cidades de Abrantes, Entroncamento, Fátima, Ourém, Tomar e Torres Novas.

O cliente deve recorrer ao sistema de reservas, que são feitas através do número de telefone gratuito 800 209 226, de segunda a sexta-feira (exceto feriados), no horário das 9h00 às 15h00 do dia útil anterior ao que o cliente pretende viajar. Também é possível fazer a reserva online através do site transporteapedido.mediotejo.pt/reservas.

As situações que forem surgindo relacionadas com a necessidade de transporte público, deverão ser endereçadas pelos interessados à CMA ou à Junta de Freguesia da sua área de residência.

Os contactos estão disponíveis no site da Câmara em: http://cm-abrantes.pt/index.php/pt/noticias/1142-covid-19-transportes-publicos

Paula Mourato

A sua formação é jurídica mas, por sorte, o jornalismo caiu-lhe no colo há mais de 20 anos e nunca mais o largou. É normal ser do contra, talvez também por isso tenha um caminho feito ao contrário: iniciação no nacional, quem sabe terminar no regional. Começou na rádio TSF, depois passou para o Diário de Notícias, uma década mais tarde apostou na economia de Macau como ponte de Portugal para a China. Após uma vida inteira na capital, regressou em 2015 a Abrantes. Gosta de viver no campo, quer para a filha a qualidade de vida da ruralidade e se for possível dedicar-se a contar histórias.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado.