Novo sintético no campo nº 2 da cidade desportiva de Abrantes. Foto: mediotejo.net

Estão concluídos os trabalhos de intervenção e de substituição do relvado sintético do campo de futebol nº 2 da Cidade Desportiva de Abrantes, anunciou hoje a autarquia. O relvado sintético anterior foi instalado no ano de 2002 tendo uma média de 20.000 utilizações por ano, totalizando na sua vida útil, em cerca de 17 anos, cerca de 350.000 utilizações. O novo relvado está pronto a ser estreado.

Em declarações ao mediotejo.net no início da intervenção, o presidente da Câmara de Abrantes, Manuel Valamatos (PS) lembrou que aquele relvado “ultrapassou o prazo de vida útil” tendo sido instalado há mais de 16 anos no parque desportivo de Abrantes, constituindo, na altura, o primeiro sintético a estar disponível no concelho para a prática desportiva.

“Aquele sintético foi instalado há 16/17 anos, foi bastante utilizado ao longo de todo este tempo por vários clubes do concelho, e ultrapassou o seu prazo de vida útil”, disse o autarca. Um relvado sintético pode durar entre 10 a 12 anos, em média, dependendo de vários fatores, como a intensidade de utilização e condições de manutenção, entre outros.

O investimento foi de cerca de 150 mil euros, incluindo a remoção do piso antigo e colocação do novo tapete.

Novo sintético no campo nº 2 da cidade desportiva de Abrantes. Foto: CMA

A cidade desportiva de Abrantes conta, entre outras valências, com dois campos de futebol, sendo o campo principal (n 1) de relva natural, e o campo nº 2 em piso sintético. O município tem ainda um campo sintético (nº 3) em Rossio ao Sul do Tejo.

No concelho de Abrantes existem mais três campos de relva sintética, em Alferrarede, Pego e Tramagal, instalados e inaugurados no ano 2017, tendo os respetivos investimentos sido comparticipados para autarquia.

Mário Rui Fonseca

A experiência de trabalho nas rádios locais despertaram-no para a importância do exercício de um jornalismo de proximidade, qual espírito irrequieto que se apazigua ao dar voz às histórias das gentes, a dar conta dos seus receios e derrotas, mas também das suas alegrias e vitórias. A vida tem outro sentido a ver e a perguntar, a querer saber, ouvir e informar, levando o microfone até ao último habitante da aldeia que resiste.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *