Foto: CMA

A Biblioteca Itinerante de Abrantes (BIA) “José Diniz” assinala no início do mês de maio o 10º aniversário, marcando a sua entrada ao serviço das populações das freguesias rurais do concelho, promovendo não só os hábitos de leitura como garantindo o acesso à informação de qualidade, além de recursos para lazer.

Para comemorar o 10º aniversário da entrada em funcionamento da BIA, a Biblioteca Municipal António Botto inaugura no próximo sábado, dia 15 de abril, pelas 17h00, uma exposição sobre Bibliotecas Itinerantes – Lugares de Futuro.

A exposição, que conta com curadoria de Bento Ramires, Carlos Marta e Rui Guedes, estará patente ao público com entrada livre na Biblioteca Municipal António Botto, de 15 de abril a 15 de maio.

A exposição temática “Bibliotecas Itinerantes – Lugares de Futuro” integrou a programação da IX Maratona de Leitura da Sertã em 2021, e contextualiza os 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável, contemplados na Agenda 20/30, nos 73 serviços de biblioteca itinerante nela representados, do universo de 81 atualmente em atividade no território português. A Biblioteca Itinerante de Abrantes “José Diniz” encontra-se também representada nesta exposição. Promovida pelo Município da Sertã, a exposição tem estado a percorrer o país desde o mês de julho desse ano.

Biblioteca Itinerante de Abrantes (BIA) José Diniz. Foto: CMA

Nessa mesma tarde será promovido um Encontro com os autores Bento Ramires, Carlos Marta e Rui Guedes, onde será apresentada a obra “Homens livro”. O livro conta com a coordenação de Patrícia Carreiro e edição das Letras Lavadas.

Conforme pode ler-se na sinopse, “recorrendo aos acervos particulares dos únicos bibliotecários itinerantes em atividade que transitaram do período das Bibliotecas Itinerantes Gulbenkian, Bento Ramires e Carlos Marta, e a um conto da autoria do também bibliotecário itinerante Rui Guedes, Homens Livro é um apelo à memória individual e coletiva de um período marcante no panorama cultural de um país obscuro e ensimesmado, iluminado pelo despontar do povo português para os hábitos de leitura e convívio regular com os livros”.

Este livro contém entrevistas a três antigos bibliotecários Gulbenkian, uma nota introdutória da Presidente cessante do Conselho de Administração da Fundação Calouste Gulbenkian, Isabel Mota, e excertos de um documento original da autoria de Armando Carmelo (1964), responsável pela Biblioteca Itinerante Gulbenkian nº 33 – Redondo.

Biblioteca Itinerante de Abrantes (BIA). Foto: CMA

A BIA passou a chamar-se Biblioteca Itinerante de Abrantes “José Diniz”, em homenagem à figura incontornável da sociedade abrantina, homem da cultura, figura carismática que foi dinamizador da biblioteca itinerante da Fundação Calouste Gulbenkian durante mais de 30 anos, na segunda metade do século XX, falecido a 11 de janeiro de 2021.

A Biblioteca Itinerante de Abrantes entrou em funcionamento no dia 2 de maio de 2013, prestando um serviço às populações das freguesias rurais, como forma de promover o acesso à informação e aos livros e outros recursos informativos, para fins de lazer, académicos/formação e até profissionais.

A BIA além de promover os hábitos de leitura enquanto fator de qualificação humana e de desenvolvimento social, levando meios e recursos a comunidades mais desfavorecidas, funciona também enquanto apoio à Biblioteca Municipal, em Abrantes, contribuindo para atuar na promoção dos livros e da leitura e na dinamização de projetos para diversos públicos, tendo em conta também efemérides e sazonalidade, e sendo também forma de combate ao isolamento e exclusão social.

Joana Rita Santos

Formada em Jornalismo, faz da vida uma compilação de pequenos prazeres, onde não falta a escrita, a leitura, a fotografia, a música. Viciada no verbo Ir, nada supera o gozo de partir à descoberta das terras, das gentes, dos trilhos e da natureza... também por isto continua a crer no jornalismo de proximidade. Já esteve mais longe de forrar as paredes de casa com estantes de livros. Não troca a paz da consciência tranquila e a gargalhada dos seus por nada deste mundo.

Entre na conversa

1 Comentário

  1. Certamente, por razões familiares e consulta médica, com imensa pena de minha parte não estarei presente na apresentação do livro. O ZÉ, meu amigo de longa data e vizinho meu, bem merece esta homenagem. Com ele passei muitos momentos de convívio à volta dos livros e não só, com amigos comuns. Foi com mágoa imensa que o vi (vimos) partir do nosso convívio e algum tempo depois sua filha Paula (para os amigos a Paulinha). É uma homenagem merecida em prol daquilo que ele era e o que contribuiu para uma melhor literacia desta vasta região. Irei adquirir o livro.
    É uma ideia feliz do seu autor.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *