As Assembleias Municipais de Abrantes vão ter transmissão online e processo deve estar concluído no final de junho, adinatou António Mor, presidente da Assembleia Municipal. Foto: mediotejo.net

As sessões das Assembleias Municipais de Abrantes vão ter transmissão online, estando o processo de operacionalização do sistema em curso. O mesmo deve estar concluído no final do presente semestre, avançou o presidente da Assembleia Municipal, António Gomes Mor, questionado pelos eleitos sobre o ponto de situação do processo.

Relativamente “à implantação do sistema de informação para o online das Assembleias, eu próprio tinha questionado a Câmara, e tenho a informação de que o processo está em desenvolvimento e que se estima que o projeto possa estar concluído no final do primeiro semestre que está a decorrer”, disse António Mor, respondendo às várias interpelações das bancadas do PSD, BE e do eleito independente por Rio de Moinhos, presidente de junta, num assunto que é consensual.

O assunto da transmissão ‘online’ das sessões da Assembleia Municipal decorre das sugestões de compromisso de Regimento e propostas de recomendação apresentadas em Assembleia Municipal em novembro de 2017, como a transmissão online, sempre que possível, das sessões da AM a implementar ao longo do mandato, com registo áudio disponível num sítio da web da AM para consulta universal.

As sessões das Assembleias Municipais de Abrantes vão ter transmissão online, estando o processo de operacionalização do sistema em curso. Foto: mediotejo.net

Além destas, foi também sugerido que as ordens de trabalho da AM fossem disponibilizadas em formato digital igualmente no sítio da AM, bem como as atas após a sua aprovação, ou a descentralização das sessões pelas freguesias fora da sede do concelho, com o objetivo de aproximar o órgão de decisão máximo do concelho aos munícipes.

Na sua intervenção, Pedro Grave, do BE, instou o Presidente da Assembleia Municipal a prestar informação relativa ao “andamento do projeto de gravação e transmissão online das sessões, incluindo um calendário de implementação, com os prazos estimados”, e “repudiando a inércia dos responsáveis para lá do que consideramos razoável, o que leva a que esteja passado mais de metade do corrente mandato, sem que esteja à vista a devida implementação”.

Rui André, por sua vez, presidente da junta de freguesia de Rio de Moinhos (MIFR) questionou o Presidente da Assembleia Municipal sobre a transmissão em direto das Assembleias Municipais numa plataforma online, tendo lembrado que as “novas tecnologias servem exatamente para isso comunicar”, que o “afastamento das pessoas da vida política é notório” e que é necessário “encontrar soluções”.

“Esta é uma delas que se fala há mais de 10 anos. Precisamos todos de combater barreiras e muros para abrir portas ao contacto direto com as nossas populações. Esta ferramenta é fundamental para avançarmos juntos e assim esperar um aumento da participação na vida política. Ainda por cima este assunto é consensual e todas as bancadas concordam”, notou.

As Assembleias Municipais vão ter transmissão online, avançou o presidente da Assembleia Municipal, António Gomes Mor, questionado pelos eleitos sobre o ponto de situação do processo. Foto: mediotejo.net

Rui André apresentou duas propostas para “ajudar na resolução” desta situação e que passam por “pedir ajuda e apoio ao executivo da câmara municipal que tem à sua disposição o seu gabinete de comunicação ou, caso haja dificuldade, solicitar apoio da nova empresa contratada no final do ano passado, por 52.596 euros cujo objetivo visa a Aquisição de serviços de Comunicação Estratégica, Plataformas Digitais e Marketing”.

O eleito concluiu a sua intervenção referindo que, “caso haja dificuldade na primeira proposta, seria pertinente criar uma comissão composta por todas as bancadas com o objetivo de analisar e encontrar soluções para a resolução desta situação”.

O presidente da Assembleia Municipal respondeu às interpelações referindo estar a acompanhar o processo e dando conta da estimativa temporal que foi apresentada para a conclusão do projeto.

Mário Rui Fonseca

A experiência de trabalho nas rádios locais despertaram-no para a importância do exercício de um jornalismo de proximidade, qual espírito irrequieto que se apazigua ao dar voz às histórias das gentes, a dar conta dos seus receios e derrotas, mas também das suas alegrias e vitórias. A vida tem outro sentido a ver e a perguntar, a querer saber, ouvir e informar, levando o microfone até ao último habitante da aldeia que resiste.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado.