A estação ferroviária de Bemposta/São Facundo, durante anos sem paragem de comboios, voltou a merecer a atenção noticiosa devido à parcial reposição dos comboios na estação, com duas paragens diárias. O facto mereceu da parte do jornal mediotejo.net uma atenção plasmada em notícia e entrevista ao presidente da junta de freguesia local, tendo em conta as diversas ocasiões em que chamou a atenção para o problema em sede de Assembleia Municipal de Abrantes. As declarações do atual presidente da junta de freguesia, Manuel João Alves (PS) motivaram um pedido de direito de resposta por parte de Maria Fernandes, membro dos Independentes por Bemposta, que publicamos na íntegra.

“A propósito das declarações proferidas pelo autarca da freguesia de Bemposta ao canal de comunicação Médio Tejo durante uma entrevista, assim como, em sede de Assembleia Municipal, reclamando a sua contribuição e envolvimento na reposição dos comboios da Linha do Leste, um grupo de cidadãos liderado pela deputada de Assembleia de Freguesia Maria Fernandes que em sintonia com as iniciativas do (PEV) Partido Ecologista “Os Verdes” e força política que com o PCP e a Intervenção Democrática integra a CDU e outros grupos de cidadãos do distrito de Portalegre e concelho de Abrantes, vêm por este meio declarar que:

1- Em reunião de Assembleia de Freguesia de Bemposta a 30 de Setembro de 2015 a deputada Maria Fernandes questionou o presidente sobre a posição da junta e da Câmara em relação aos comboios, já que parecia não não haver qualquer interesse por parte de ambas as instituições. A resposta do presidente foi a seguinte, a qual consta em acta nº10.

EXTRACTO  página 2, da 12ª à 19ª linha-” Quanto aos comboios é uma situação absurda de que teve conhecimento à relativamente pouco tempo desta, foi contactada a Câmara sobre esta questão, a autarca ficou surpresa com a este facto e solidária com a nossa posição, sem dar conhecimento, os Concelhos vizinhos fizeram a inauguração, até fizeram festa no nosso concelho sem comunicarem nada a ninguém. Pelo que, e dadas as circunstâncias, por forma a ser reivindicada a paragem deste comboio também na Bemposta, o presidente da junta sugeriu que fosse aprovada uma deliberação emanada da Assembleia de freguesia (…), a qual foi aprovada por unanimidade.

Recorde-se que nesta altura havia um protocolo apenas com ao autarcas so Alto Alentejo. A Câmara de Abrantes não tinha sido convidada para fazer parte deste protocolo e como se prova nas declarações proferidas pelo presidente da junta e registadas em acta, até desconhecia o assunto.

Após a deliberação aprovada em Assembleia não houve continuidade por parte do executivo relativamente à reposição dos comboios na Linha do Leste. O assunto deu-se por esquecido. Nem a presidente da Câmara nem o presidente da junta estiveram presentes na Assembleia da República aquando da votação no Parlamento. Mas, o grupo de cidadãos continuou o seu trabalho e em resposta a uma  comunicação com a deputada Maria Fernandes datada de Dezembro de 2015, com resposta por parte da CP a 4 de Janeiro de 2016, refere e cita-se: (…) “informamos que dado o tempo de viagem ser o factor mais valorizado pelos clientes, foi sugerido as substituição da paragem comercial em Tancos pela Bemposta, facto não aceite pela Câmara Municipal de Abrantes.”

Após a Resolução da Assembleia da República nº23/2016, aprovada por unanimidade em 15 de Janeiro de 2016, recomendou ao Governo a reposição do serviço de transporte de passageiros em todo o seu percurso da linha ferroviária do Leste.

A 29 de Agosto de 2017, o objectivo tinha sido alcançado. Resultado da persistência e motivação dos grupos mencionados anteriormente e não da autarca da Câmara, nem tão pouco do autarca de Bemposta.

Mas, porque os horários atribuídos não suprimem as necessidades dos utilizadores, mais uma vez foi feita uma comunicação à CP por parte do grupo de cidadãos de Bemposta, com as devidas justificações e razões para serem considerados novos horários.

Crentes de que num futuro próximo, os comboios da Linha do Leste poderão servir todos, não só como utilizadores, mas como ligação das regiões contribuindo para o seu desenvolvimento, como também numa perspectiva ambiental,será uma vitória para quem trabalhou nesse sentido.

E, aqueles que se exibem em entrevistas e, não só, reclamando o que não lhes pertence fica o conselho: Em política não vale tudo. Reclamar o que não lhe pertence revela falta de ética e acima de tudo falta de respeito por quem esteve sempre na “linha da frente”.

Deste grupo de cidadãos fazem parte pessoas que por razões pessoais e profissionais preferem manter o anonimato.

 

Os declarantes

Joaquim Varela

Paulo Feranandes

Ana Lúcia Oliveira

Maria Fernandes

 

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *