SARDÃO – O sardão (Lacerta lepida = Timon lepidus) é um lagarto da família Lacertidae. Chega a viver 25 anos em cativeiro. Quando confrontado, abre a boca e sibila, conseguindo mesmo saltar para o inimigo. Os machos são territoriais na primavera. A hibernação ocorre entre outubro e abril. O homem tem sido o maior inimigo desta espécie e o motivo principal do seu declínio. Estes lagartos sofrem uma enorme taxa de mortalidade por atropelamento, já que utilizam muitas vezes as estradas, devido à exposição solar, para se aquecerem. Em Portugal, o Lacerta lepida não está ameaçado.

O sardão é um lagarto robusto com um colar serrado. Os machos têm a cabeça robusta, muito característica, e patas finas mas muito fortes, com garras longas e curvas. O dorso é normalmente verde, mas por vezes cinzento com tons de castanho, especialmente na cabeça e na cauda. Por baixo tendem para tons de amarelo ou verde. O macho tem muitos pontos azuis nos flancos, a fêmea poucos ou nenhuns. O macho é mais claro que a fêmea. Os juvenis são verdes, cinzentos ou castanhos, com tons de amarelo ou branco e muitas pintas pretas por todo o corpo.

É um dos maiores membros da sua família: tem entre 30 e 60 cm e pode mesmo chegar aos 90 cm, sendo que dois terços do seu tamanho correspondem à cauda. As crias recém-nascidas têm entre 4 e 5 cm, excluindo a cauda.

O sardão pode ser encontrado em habitats não cultivados e cultivados, desde o nível do mar até aos 2100m de altitude no sul de Espanha. Prefere áreas secas com arbustos, velhos olivais e vinhais. Muitas vezes também é encontrado em sítios rochosos e zonas de muita areia. Normalmente, caminha pelo solo, mas é um excelente trepador de rochas e árvores. Esconde-se em arbustos (às vezes espinhosos), rochas, muros, troncos secos, tocas de coelho ou mesmo buracos que ele próprio escava.

O sardão alimenta-se normalmente de insetos, sobretudo escaravelhos, mas também assalta ninhos de aves e ocasionalmente ataca répteis, sapos e alguns pequenos mamíferos. Alimenta-se igualmente de fruta e outros produtos de origem vegetal, especialmente em zonas mais secas.

O sardão procria entre o fim da primavera e o início do verão. Os machos combatem entre si durante esta época. As fêmeas põem 5 a 22 ovos em junho-julho, escondendo-os debaixo de pedras, troncos ou folhas secas. Os ovos eclodem passadas 8 a 14 semanas e as crias ficam sexualmente ativas em 2 anos.

O sardão pode ser encontrado em Espanha, em Portugal, no sul de França e no norte de Itália.

IN: Wikipédia
Exemplar fotografado em Tramagal.

Jorge Santiago

Nasceu a 30 de Janeiro de 1961 em Lisboa e cresceu no Alentejo, em Santiago do Cacém. Dali partiu em 1980 para ingressar no Exército e no Curso de Enfermagem. Foi colocado em Santa Margarida e por aqui fez carreira acabando por fixar-se no Tramagal em 2000. A sua primeira ligação à Vila "metalúrgica" surge em 1988 como Enfermeiro do TSU. Munido da sua primeira câmera digital, em 2009 e com a passagem à situação de reserva, começou a registar a fauna do Vale do Tejo, a natureza e o património edificado da região, as ruas, as pessoas... Com colaborações regulares em jornais da região e nacionais este autodidata acaba por conseguir o reconhecimento público, materializado em alguns prémios. Foi galardoado na 8ª Gala de Cultura e Desporto de Tramagal na categoria de Artes Plásticas (Fotografia) em 2013.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado.