Foto: Pixabay

O tema já havia sido trazido a Assembleia Municipal em junho, também por Carla Sarmento (PSD), que revelava na altura preocupação em relação ao estado da prestação de cuidados de saúde no concelho.

Na passada sessão ordinária, secretária da mesa de Assembleia notou que “três meses depois estamos mesmo mal”, uma vez que apenas restam dois médicos de família no centro de saúde a prestar todos os cuidados à população.

ÁUDIO | Carla Sarmento (PSD) apresenta a moção pela melhoria da prestação de serviços de saúde no centro de saúde de Vila de Rei
Foto: mediotejo.net

“Neste momento, a UCSP de Vila de Rei dispõe de dois médicos de família, sendo que um deles desempenha também funções de Diretor Executivo do ACES (Agrupamento de Centros de Saúde) do Pinhal Interior Sul, não estando por isso a desempenhar funções a tempo inteiro, e a outra médica de família desempenha a função de Coordenadora da UCSP, retirando tempo disponível para o atendimento aos utentes”, começa o documento.

Acresce ainda o facto de os dois médicos se encontrarem “perto da idade da reforma, sem que se afigure visível a colocação de novos médicos de família nesta UCSP”.

A Assembleia Municipal alerta que da população residente de 3500 habitantes, dos quais 3333 são utentes inscritos na UCSP de Vila de Rei, a maioria trata-se de população idosa que “necessita de cuidados permanentes de saúde”.

“Os recursos humanos disponíveis são claramente insuficientes e que se confirma pela dificuldade de agendamento de consultas ou adiamento das mesmas”

Pretendem assim que seja garantido o atendimento e prestação de serviços de consulta de saúde pública, consulta de adultos, consulta de saúde infantil e juvenil, consulta de saúde materna, consulta de planeamento familiar, acompanhamento de doentes crónicos, encaminhamento de doentes para consultas de especialidade e receituário.

Sucede que chegou a ser colocada uma médica de família de forma temporária e em tempo parcial no centro de saúde de Vila de Rei, mas a mesma “já foi recolocada a tempo inteiro na UCSP da Sertã”.

Desta forma é reivindicada a necessidade e urgência no desenvolvimento de todos os procedimentos necessários à colocação de um médico de família na UCSP de Vila de Rei por forma a garantir os serviços mínimos de saúde para todos os utentes.

Foto: mediotejo.net

A Assembleia Municipal de Vila de Rei “exorta as entidades gestoras do Serviço Nacional de Saúde, nomeadamente o ACES Pinhal Interior Sul, a Unidade Local de Saúde de Castelo Branco, a ARS do Centro e o Ministério da Saúde a desenvolver todos os atos de gestão e a desenvolver todos os procedimentos necessários à colocação de um médico de família na UCSP de Vila de Rei, seja atrás da contratação direta, através de recurso a médico tarefeiro ou contratualizando o serviço com o setor social ou privado”.

Por seu turno, o presidente da Câmara, Ricardo Aires, congratulou-se com esta tomada de posição do órgão deliberativo e disse ainda não perceber a decisão da ULS de Castelo Branco em retirar a médica que estaria colocada temporariamente e a tempo parcial para o centro de saúde da Sertã, deixando Vila de Rei com problemas.

ÁUDIO | Ricardo Aires, presidente da CM Vila de Rei

O autarca assumiu ter tido reunião com a ULS de Castelo Branco há três semanas e que o responsável terá dito sido “um ato de gestão” a opção de retirar a médica a tempo parcial de Vila de Rei para a Sertã.

“Gerir é colmatarmos um problema mas não deixar outro problema [por resolver]. (…) Acho que quando alguém está a gerir ao nível de cima não pode ver um concelho em detrimento de outro concelho. Se tinham um problema na Sertã, tinham que resolver esse problema e não estar a colocar lá uma pessoa que estava em Vila de Rei, que já estava inserida na comunidade”, critica o edil.

NOTÍCIA RELACIONADA

Joana Rita Santos

Formada em Jornalismo, faz da vida uma compilação de pequenos prazeres, onde não falta a escrita, a leitura, a fotografia, a música. Viciada no verbo Ir, nada supera o gozo de partir à descoberta das terras, das gentes, dos trilhos e da natureza... também por isto continua a crer no jornalismo de proximidade. Já esteve mais longe de forrar as paredes de casa com estantes de livros. Não troca a paz da consciência tranquila e a gargalhada dos seus por nada deste mundo.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *