Trabalhos de reparação de deformação na A23 junto a Vila Nova da Barquinha decorrem até final do ano. Foto: IP

A empreitada de estabilização da plataforma rodoviária da A23, com uma “deformação” que obrigou a alterações ao trânsito no troço entre o Nó de Atalaia e o Nó de Roda, sentido Torres Novas – Abrantes, está em curso, devendo estar concluída até final do ano, deu conta a Infraestruturas de Portugal, apontando a um investimento na ordem dos 850 mil euros.

“A Infraestruturas de Portugal consignou, no passado dia 15 de novembro, a empreitada de estabilização da plataforma rodoviária da A23” (…), refere a IP em nota de imprensa, tendo referido que a intervenção “decorre da necessidade em proceder à reparação de uma deformação no pavimento que foi identificada ao quilómetro 21,150 da A23”.

“A empreitada envolve um investimento de cerca de 850 mil euros e compreende a construção de um viaduto em betão armado e pré-esforçado, apoiado em fundações profundas encastradas no substrato competente, cerca de cinco metros abaixo da cota da base do gasoduto”, explica a IP.

A estrutura do tabuleiro será constituída por oito vigas pré-fabricadas em betão armado e pré-esforçado, justapostas”, refere, dando conta que “a execução dos trabalhos, e até à sua conclusão, não será necessário proceder à alteração aos condicionamentos de trânsito atualmente em vigor”.

A IP lembra que no local onde ocorreu a deformação no pavimento, existe um gasoduto, propriedade da REN, que atravessa a A23 na perpendicular, o que “obriga à adoção de soluções técnicas mais complexas”.

Concluída esta fase e elaborado o projeto de execução, inicia-se agora a obra que irá garantir a integral estabilização do talude e a reposição das condições de circulação, o que se estima possa ocorrer até final do ano.

Obras na A23 para reparação da via sobre um gasoduto. Foto: IP

De recordar que após a deteção desta anomalia, como medida preventiva de segurança, no dia 21 de outubro a IP procedeu ao corte da circulação no referido lanço, no sentido Torres Novas – Abrantes, e de imediato deu início a trabalhos preparatórios, de sondagem e avaliação para o desenvolvimento dos projetos para a reparação da via. Neste momento circula-se naquele troço nos dois sentidos, mas apenas numa via.

Mário Rui Fonseca

A experiência de trabalho nas rádios locais despertaram-no para a importância do exercício de um jornalismo de proximidade, qual espírito irrequieto que se apazigua ao dar voz às histórias das gentes, a dar conta dos seus receios e derrotas, mas também das suas alegrias e vitórias. A vida tem outro sentido a ver e a perguntar, a querer saber, ouvir e informar, levando o microfone até ao último habitante da aldeia que resiste.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *