A Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários de Vila de Rei foi a que reuniu mais lâmpadas usadas em 2021, no âmbito da campanha “Quartel Electrão”. Foto: CMVR

A sétima edição da iniciativa Quartel Electrão encontra-se a decorrer, e com isto dá oportunidade às associações humanitárias de todo o país de trabalharem na recolha de resíduos para reciclagem, efetuando trabalho de apoio à comunidade e simultaneamente de proteção do ambiente. Os bombeiros habilitam-se a um rol de prémios consoante as toneladas reunidas. Na edição de 2021, entre os participantes da região do Médio Tejo, destacou-se a associação humanitária de Vila de Rei, a “campeã” na recolha de pilhas, que reuniu 1,2 toneladas e com isso recebeu 1500 euros convertíveis em equipamento de proteção.

Da região participaram ainda a AHBV – Fátima (327 kg de lâmpadas, 32 027 kg de equipamentos elétricos, 124 kg de pilhas = 2436 euros recebidos), AHBV – Ferreira do Zêzere (169 kg de lâmpadas, 5135 kg de equipamentos elétricos, 15 kg de pilhas = 399 euros), AHBV – Freixianda / Liga Amigos Bomb. Freixianda (8 kg de lâmpadas, 5001 kg de equipamentos elétricos, 20 kg de pilhas = 377 euros recebidos), AHBV – Minde (44 kg de lâmpadas, 10 299 kg de equipamentos elétricos, 32 kg de pilhas = 778 euros recebidos) e AHBV – Ourém (25 712 kg de equipamentos elétricos = 1928 euros recebidos).

Os valores recebidos são a “contrapartida pelo esforço as associações” que assim recebem 75 euros por cada tonelada de resíduos recolhida. No distrito de Santarém o valor recebido ascendeu a 18.458 euros.

No total participaram 12 associações humanitárias do distrito de Santarém, que recolheram mais de 246 toneladas de lâmpadas, pilhas e equipamentos elétricos usados em 2021.

Na sexta edição do quartel Electrão, que decorreu de janeiro a novembro de 2021 e que teve como parceiro a Liga dos Bombeiros Portugueses, as associações do distrito de Santarém reuniram no total 244.383 quilos de equipamentos elétricos usados, 1356 quilos de lâmpadas e 369 quilos de pilhas.

Já do distrito de Castelo Branco participaram seis associações humanitárias, tendo recolhido mais de 57 toneladas de lâmpadas, pilhas e equipamentos elétricos usados em 2021.

A corporação da Sertã amealhou 1248 euros com a recolha de 30 kg de lâmpadas e 16 610 kg de equipamentos elétricos usados, enquanto a de Cernache do Bonjardim amealhou 905 euros com a recolha de 12 060 kg de equipamentos elétricos usados. Vila de Rei conseguiu 896 euros de contrapartida por ter recolhido 1247 kg de lâmpadas e 10 693 kg de equipamentos elétricos usados.

No caso de Vila de Rei, no distrito de Castelo Branco, foi dado outro reconhecimento com a atribuição do prémio de 1500 euros convertíveis em equipamento de proteção, que se deveu a ter sido este quartel a recolher mais lâmpadas nesta edição da iniciativa (1,2 toneladas). Já a associação que recolheu mais pilhas a nível nacional foi Agualva-Cacém com 1,4 toneladas, tendo recebido prémio igual.

Foto: Quartel Electrão

A edição de 2022 já se encontra a decorrer e o primeiro prémio volta a ser um veículo ligeiro de combate a incêndios, além de que as associações recebem ainda 75 euros por cada tonelada de resíduos reunida. São ainda atribuídos prémios às associações que recolherem as maiores quantidades de resíduos em termos regionais. O novo aderente e as associações que se destaquem particularmente na recolha de pilhas e lâmpadas também serão premiados.

A comunidade poderá ajudar as corporações de bombeiros com quartel aderente à iniciativa, deslocando-se para entregar resíduos como lâmpadas, pilhas e equipamentos elétricos usados. No site www.ondereciclar.pt é possível saber qual é o quartel aderente mais próximo onde pode depositar.

Esta campanha do Electrão tem como objetivo envolver as associações humanitárias na causa da reciclagem deste tipo de resíduos. Globalmente, desde 2011, esta iniciativa já permitiu a recolha de 9.331 toneladas de pilhas e equipamentos elétricos usados.

Na edição passada do “Quartel Electrão” foram entregues às associações 250 mil euros, a que correspondem 67.500 em prémios finais e 187.000 euros como contrapartidas pelas quantidades recolhidas.

Formada em Jornalismo, faz da vida uma compilação de pequenos prazeres, onde não falta a escrita, a leitura, a fotografia, a música. Viciada no verbo Ir, nada supera o gozo de partir à descoberta das terras, das gentes, dos trilhos e da natureza... também por isto continua a crer no jornalismo de proximidade. Já esteve mais longe de forrar as paredes de casa com estantes de livros. Não troca a paz da consciência tranquila e a gargalhada dos seus por nada deste mundo.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *