Patrícia Sampaio. Foto: Federação Portuguesa de Judo

A judoca tomarense Patrícia Sampaio venceu o bronze na categoria -78 kg, nos Jogos do Mediterrâneo, que decorrem até domingo em Tarragona, Espanha, elevando para 16 o número de medalhas portuguesas na competição.

A atleta portuguesa, que representa a SF Gualdim Pais, de Tomar, um dos clubes que integram a Associação de Judo do Distrito de Santarém, venceu a judoca espanhola Laia Talarn, num combate que se realizou em Cambrils, a cerca de 10 quilómetros de Tarragona.

“Sair de Tarragona com duas medalhas é bom. Outros atletas podiam ter feito melhores classificações, mas, por vários condicionalismos, sem ser da nossa responsabilidade, não conseguiram. Foram problemas de arbitragem, algo transversal a muitos países”, disse o chefe de comitiva do judo, José Robalo.

Segundo o responsável de uma modalidade que esteve envolta em polémica no arranque destes jogos devido à ausência de Telma Monteiro, medalha de bronze nos Jogos Olímpicos Rio2016, “era expectável” ma boa prestação nesta competição, uma vez que estavam em causa atletas com “talento” e “qualidade”.

Patrícia Sampaio, de 18 anos, que representa a SF Gualdim Pais, de Tomar, caiu nas meias-finais, face à italiana Giorgia Stangherlin, que acabou por arrecadar o ouro, mas ainda chegou a uma das medalhas de bronze.

“Ela foi convocada por ter ganhado a Taça da Europa de juniores. Foi decido levá-la ao Europeu e foi sétima, superando as expectativas. Aqui, já era expectável um resultado condizente, foi pena ter perdido a meia final a 30 segundos do fim quando estava a ganhar por waza-ri”, descreveu José Robalo.

A comitiva portuguesa soma até ao momento 19 medalhas – três de ouro, seis de prata e 10 de bronze – numa competição na qual está representada por 232 atletas, em 29 modalidades.

C/LUSA

Mário Rui Fonseca

A experiência de trabalho nas rádios locais despertaram-no para a importância do exercício de um jornalismo de proximidade, qual espírito irrequieto que se apazigua ao dar voz às histórias das gentes, a dar conta dos seus receios e derrotas, mas também das suas alegrias e vitórias. A vida tem outro sentido a ver e a perguntar, a querer saber, ouvir e informar, levando o microfone até ao último habitante da aldeia que resiste.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado.