O vereador da CDU, Bruno Graça, manifestou na reunião de executivo desta segunda-feira, 16 de janeiro, a sua preocupação com o que se passa na Fábrica de Papel do Prado, uma indústria centenária em Tomar. A atual administração da fábrica  está a tentar chegar a acordo com 26 dos 115 trabalhadores para despedimento. A situação deve ficar resolvida antes de março, altura em que termina o regime de lay off. Por este motivo, o vereador da CDU solicitou à presidente de câmara que promova o agendamento de uma reunião com o Conselho de Administração da Fábrica do Prado e com a Comissão de Trabalhadores.

“Trata-se de uma empresa com mais de uma centena de trabalhadores, que mexe com o nosso concelho. Temos um concelho que sofreu várias recessões em termos do sector secundário, da indústria, o que traz grandes constrangimentos ao nosso desenvolvimento”, disse Bruno Graça, considerando a situação gravosa.

“Penso que, sem nos imiscuirmos do que é uma entidade privada, penso que está dentro das nossas atribuições pedirmos uma reunião para podermos ver o que é o município pode fazer no sentido de evitar despedimentos e constrangimentos em termos de capacidade produtiva”, disse.

O vereador do PSD, João Tenreiro, refere que a reunião deve ser promovida o quanto antes. Para o vereador dos Independentes por Tomar, Pedro Marques, esta é mais “uma machadada na economia do concelho”

Elsa Ribeiro Gonçalves

Aos 12 anos já queria ser jornalista e todo o seu percurso académico foi percorrido com esse objetivo no horizonte. Licenciada em Jornalismo, exerce desde 2005, sempre no jornalismo de proximidade. Mãe de uma menina, assume que tem nas viagens a sua grande paixão. Gosta de aventura e de superar um bom desafio. Em maio de 2018, lançou o seu primeiro livro de ficção intitulado "Singularidades de uma mulher de 40", que marca a sua estreia na escrita literária, sob a chancela da Origami Livros.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado.