Foto: Pixabay

A concelhia da CDU emitiu um comunicado perante o recente caso de falta de médico na freguesia de Sabacheira, em Tomar, considerando que se trata de uma “situação inaceitável e que deve ser resolvida, de imediato, pelas estruturas de saúde do Ministério da Saúde”. A CDU considera que a Câmara Municipal deve intervir e reivindicar médicos para todas as extensões de saúde do concelho.

“A CDU considera que cabe à autarquia intervir, de imediato, junto das entidades responsáveis de saúde, exigindo que as Extensões de Saúde de todas as freguesias do concelho disponham dos meios humanos necessários para que possam cumprir os objetivos que lhe estão atribuídos, de garantir a prestação de cuidados de saúde primários às suas populações”, lê-se no comunicado.

Os comunistas referem que “o tempo não é de promessas redondas, mas de medidas concretas que permitam a admissão não só de médicos como de outros profissionais de saúde para o Serviço Nacional de Saúde (SNS), que valorizem os trabalhadores de saúde (por via das suas carreiras e remunerações), que combatam a precariedade e que incrementem um regime de dedicação exclusiva”, frisando que as freguesias “não podem ficar sem os seus profissionais de saúde”.

No caso de Sabacheira, que deixou de ter médica de família no início do mês de dezembro, a CDU recorda “cerca de 1 000 utentes deixaram de dispor de médico”.

“Esta circunstância, que já se verifica noutras Extensões de Saúde e em outras freguesias do concelho, pode vir a agravar-se, a curto prazo, caso não sejam tomadas as devidas medidas pelos responsáveis de saúde do Agrupamento de Centros de Saúde do Médio Tejo (ACES do Médio Tejo)”, alerta a CDU.

NOTÍCIA RELACIONADA:

Tomar | Sabacheira está sem médico de família, situação vai agravando na região

Joana Rita Santos

Formada em Jornalismo, faz da vida uma compilação de pequenos prazeres, onde não falta a escrita, a leitura, a fotografia, a música. Viciada no verbo Ir, nada supera o gozo de partir à descoberta das terras, das gentes, dos trilhos e da natureza... também por isto continua a crer no jornalismo de proximidade. Já esteve mais longe de forrar as paredes de casa com estantes de livros. Não troca a paz da consciência tranquila e a gargalhada dos seus por nada deste mundo.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *