A Revitalização da Av. Gonçalo  Rodrigues Caldeira, na Sertã, vai custar 400 mil euros (mais IVA). Os números foram revelados na última reunião de câmara, ocasião em que foi aprovado o procedimento que permite abrir concurso público. O principal objectivo desta obra, que está inserida no Plano de Regeneração Urbana (PARU) do concelho da Sertã, passa por criar mais bolsas de estacionamento.

De acordo com declarações do presidente da autarquia, José Farinha Nunes (PSD) ao mediotejo.net, a avenida vai ficar com o dobro dos lugares de estacionamento que atualmente se verificam, dado que se vai poder estacionar nos dois lados da artéria. “Este era o grande problema da Av. Gonçalo  Rodrigues Caldeira que agora, com esta intervenção, desaparecerá ou diminuirá significativamente”, referiu.

Em relação à empreitada, prevê-se a retirada de um passeio para o exterior da rua, que será suspenso em cima da ribeira, e em material metálico que vai substituir o que actualmente existe em em pedra. Depois vão ser abertas valas para canalizações de electricidade, redes de águas e telecomunicações para ficarem junto às lojas e edifícios. Por fim, vai ser colocado um tapete novo de alcatrão. “O passeio do lado das lojas mantém-se mas o de pedra vai ser substituído pelo metálico”, indicou.

Na reunião de executivo, apesar de ter votado a favor, o vereador da oposição Vitor Cavalheiro considera que “gastar meio milhão de euros para ganhar uns lugares de estacionamento é um ato de gestão danoso”. Questionou ainda quem foi o autor do projecto ao que o presidente da câmara elucidou que foi elaborado pelos próprios técnicos da autarquia. O autarca considera ainda o valor estimado para esta obra vai diminuir após o concurso público.

A obra lançada pela câmara municipal e publicada em Diário da República tem um preço base de 430 mil euros e um prazo de construção de cinco meses. O projeto contempla a implantação de uma estrutura metálica, construção de passeios, pavimentação betuminosa, redes de águas, eletricidade e telecomunicações.

José Farinha Nunes refere que a autarquia vai apresentar uma candidatura aos fundos comunitários, no âmbito do 2020, prevendo que a obra arranque ainda este ano, estimando-se que se prolongue por um período de seis meses. O trânsito não vai ser interrompido nesta avenida mas vai estar sujeitos aos constragimentos normais de qualquer obra.

Elsa Ribeiro Gonçalves

Aos 12 anos já queria ser jornalista e todo o seu percurso académico foi percorrido com esse objetivo no horizonte. Licenciada em Jornalismo, exerce desde 2005, sempre no jornalismo de proximidade. Mãe de uma menina, assume que tem nas viagens a sua grande paixão. Gosta de aventura e de superar um bom desafio. Em maio de 2018, lançou o seu primeiro livro de ficção intitulado "Singularidades de uma mulher de 40", que marca a sua estreia na escrita literária, sob a chancela da Origami Livros.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado.