Reunião de Câmara Municipal de Sardoal. Créditos: mediotejo.net

A prestação de contas relativa ao ano 2021 do Município de Sardoal foi aprovada pela maioria social democrata com os votos de abstenção dos vereadores do Partido Socialista. A Câmara de Sardoal encerrou as contas de 2021 com um resultado líquido do exercício negativo de 346.086,10 euros e uma redução da dívida de 1.308.196, 97 euros, segundo o relatório de Contas de Gerência.

A Câmara de Sardoal “continuou com algumas obras desde a requalificação da piscina descoberta, tivemos este percalço da entrada [talude] de Sardoal, a continuidade das obras na escola, o inicio dos procedimentos para a obra no Externato, a obra foi adjudicada em agosto do ano passado. Também foi o ano em que elaboramos a Estratégica Local de Habitação, continuamos com os nossos apoios sociais, a dinâmica cultural que temos. Tudo isto com os constrangimentos próprios do período covid-19”, explicou o presidente da Câmara, Miguel Borges (PSD).

Presidente da Câmara Municipal de Sardoal, Miguel Borges

Em 2021 Sardoal contou com uma taxa de execução da receita de 91% e da despesa de 89% . “Não há pagamentos a mais de 90 dias” sendo que “o prazo médio de pagamento reduziu para 48 dias”, acrescentou Miguel Borges.

O presidente da Câmara deu ainda conta do valor da dívida que se situa nos 3.732.501,90 euros. Uma redução que o autarca considera “substancial” e “bastante positiva”.

Do lado da oposição, o vereador Pedro Duque (PS) indicou terem os vereadores socialistas avaliado politicamente os documentos da Conta de Gerência do ano de 2021 admitindo “uma melhoria dos indicadores económico-financeiros, no entanto defendeu uma maior solidariedade com as Juntas de Freguesia lembrando o “importante” papel que desempenharam durante a pandemia de covid-19.

Os dois vereadores da oposição decidiram, por isso, abster-se na votação dos documentos relativos à prestação de contas do Município de Sardoal, tendo as contas do exercício de 2021 sido aprovadas com três votos favoráveis do PSD. No final Pedro Duque leu uma declaração de voto onde explicou o sentido de voto do PS.

Os vereadores socialistas “vislumbram neste documento uma ténue recuperação dos indicadores económico-financeiros do Município. Não será de todo alheio a esta realidade um conjunto de encargos que, pelas piores razões, designadamente por via da situação pandémica que assolou o mundo inteiro nestes últimos dois anos, deixou de ter que suportar. Foram portanto, dois anos em que o mundo, o País e o Concelho de Sardoal reduziram drasticamente a sua atividade e nem por isso o Governo de Portugal, com o apoio da União Europeia, deixaram de cumprir com os compromissos que tinham com as autarquias. Só assim, foi possível levar a cabo a referida recuperação económica do Município”, disse Pedro Duque.

No entanto, lembrou, que “passado mais um ano, continuam por resolver os principais problemas estruturais do concelho e bem assim o desenvolvimento de alguns dos projetos, há muito anunciados cuja conclusão não se vislumbra, designadamente: Recuperação da Casa Grande; Aproveitamento da Barragem da Lapa; Revisão do PDM; Recuperação dos edifícios habitacionais da Tapada da Torres; Recuperação das ETARs de Andreus e Valhascos, etc”, concluiu.

Vereador do PS, Pedro Duque

Paula Mourato

A sua formação é jurídica mas, por sorte, o jornalismo caiu-lhe no colo há mais de 20 anos e nunca mais o largou. É normal ser do contra, talvez também por isso tenha um caminho feito ao contrário: iniciação no nacional, quem sabe terminar no regional. Começou na rádio TSF, depois passou para o Diário de Notícias, uma década mais tarde apostou na economia de Macau como ponte de Portugal para a China. Após uma vida inteira na capital, regressou em 2015 a Abrantes. Gosta de viver no campo, quer para a filha a qualidade de vida da ruralidade e se for possível dedicar-se a contar histórias.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado.