Junta de Freguesia de Rio de Moinhos (Abrantes) estima prejuízos acumulados de cinco mil euros nos 3 assaltos. Foto: DR

O estaleiro da Junta de Freguesia de Rio de Moinhos (Abrantes) foi furtado na madrugada do dia 14 de maio, elevando para três o número de furtos ocorridos desde o início do presente mandato. Os prejuízos, segundo a contabilidade da junta de freguesia, já ultrapassam os cinco mil euros. O estaleiro ficou práticamente vazio.

O presidente da Junta de Freguesia de Rio de Moinhos, Rui André, deu conta na página oficial da freguesia do sucedido, tendo lembrado que “o primeiro alvo foi o próprio edifício da Junta de Freguesia quando, em julho de 2018, foi furtado durante a hora de almoço. Já no verão de 2019, uma a uma, as três cubas de compostagem, que se encontravam na Estrada do Tejo, foram levadas, noite após noite”.

E deu conta que agora, no dia 14 de maio, “os meliantes anteciparam-se ao verão e, durante a madrugada, invadiram o estaleiro, levando máquinas, ferramentas, combustível e vários materiais… bilhas metálicas, bidons, compressor, kit de ar comprimido, baterias, martelo pneumático, motosserras, motobomba, roçadora, maçarico, extensões elétricas, chicote trifásico, cadeiras de transporte de crianças… E o estaleiro ficou praticamente vazio”.

O executivo da Junta de Freguesia considera que “estes atos são completamente desprezíveis pelo absurdo e insensatez que demonstram. A autarquia é uma entidade pública e, portanto, no fim de contas, todos os bens desta autarquia são bens do povo. Furtar uma Junta de Freguesia é furtar-se a si próprio, à sua família e à sua comunidade… Porque conseguem apenas prejudicar a população riomoinhense. São menos cinco mil euros que vão estar disponíveis para investimento ou apoio a famílias e instituições”, deram conta os responsáveis eleitos pela população.

Mário Rui Fonseca

A experiência de trabalho nas rádios locais despertaram-no para a importância do exercício de um jornalismo de proximidade, qual espírito irrequieto que se apazigua ao dar voz às histórias das gentes, a dar conta dos seus receios e derrotas, mas também das suas alegrias e vitórias. A vida tem outro sentido a ver e a perguntar, a querer saber, ouvir e informar, levando o microfone até ao último habitante da aldeia que resiste.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado.