A ANEPC referiu que a precipitação, as baixas temperaturas e a intensidade do vento vão favorecer a formação de gelo e geada e causar um “desconforto térmico elevado” nos próximos dias. Foto: DR

A Proteção Civil pediu à população para adotar medidas preventivas para se defender da “descida significativa da temperatura” tendo referido que a precipitação, as baixas temperaturas e a intensidade do vento vão favorecer a formação de gelo e geada e causar um “desconforto térmico elevado” nos próximos dias. A temperatura irá “descer significativamente entre terça e quinta-feira, com valores de temperatura mínima abaixo dos 5 graus Celsius, sendo entre -5 C a 0º no interior Norte e Centro.

A depressão Fien chegou esta tarde a Portugal Continental e será responsável pelo agravamento das condições meteorológicas nos próximos dias, prevendo-se frio, chuva e agitação marítima, informou o Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA).

“O estado do tempo em Portugal continental será influenciado pela ação conjunta de um anticiclone localizado na região dos Açores e da depressão Fien, induzindo uma forte corrente de noroeste sobre o continente com o transporte de uma massa de ar polar marítimo”, descreve o IPMA, num comunicado publicado na sua página da Internet.

Para terça-feira prevê-se a queda de neve acima dos 800/1.100 metros de altitude no Norte e Centro do país e a intensificação do vento, com rajadas que em algumas regiões poderão atingir os 120 quilómetros por hora.

A Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil (ANEPC) alertou, num comunicado, que as previsões do Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA) apontam também para uma “intensificação do vento de quadrante leste”, que será “mais intenso nas terras altas”, para a “formação de gelo e geada, em especial no interior”, e para o aumento gradual da agitação marítima.

A ANEPC referiu ainda que a precipitação, as baixas temperaturas e a intensidade do vento vão favorecer a formação de gelo e geada e causar um “desconforto térmico elevado”, tendo alertado para os potenciais riscos deste quadro meteorológico, nomeadamente “intoxicações por inalação de gases, devido a inadequada ventilação em habitações onde se utilizem aquecimentos como lareiras e braseiras”, assim como para incêndios devido à “má utilização de lareiras e braseiras ou de avarias em circuitos elétricos”.

Os idosos, as crianças, as pessoas com patologias crónicas e os sem-abrigo são os grupos de pessoas “mais vulneráveis” e que necessitam de “especial atenção” para se protegerem do tempo frio, enquanto os automobilistas devem adotar uma condução defensiva e atenção para o “piso escorregadio ou a possível formação de lençóis de água e gelo”, acrescentou.

Podem também registar-se “danos em estruturas montadas ou suspensas”, que devem ser fixadas para evitar desprendimentos, e “queda de ramos ou árvores, em virtude de vento mais forte”, segundo a ANEPC.

A Proteção Civil pediu ainda à população para ter atenção para “possíveis acidentes na orla costeira” e em zonas ribeirinhas vulneráveis, onde deve ser evitada a presença e circulação, aconselhou a utilizar “várias camadas de roupa, folgada e adaptada à temperatura ambiente”, protegendo as extremidades com luvas, gorro ou cachecol, e a evitar presenças prolongadas ao frio e mudanças bruscas de temperatura.

A Proteção Civil aconselha também a ingestão de sopas e bebidas quentes, pede para ser evitado o consumo e bebidas alcoólicas e alerta para a necessidade de ser usado “vestuário e calçado adequados” por trabalhadores que exercem a atividade no exterior, que se devem abster de realizar “esforços excessivos”.

Deve ainda ser evitada a sobrecarga de tomadas e extensões elétricas e feita uma “adequada ventilação” em residências com lareira ou braseiras, devendo os equipamentos ser desligados durante o sono para prevenir incêndios e intoxicações por acumulações de dióxido de carbono, que podem provocar a morte, referiu a ANEPC.

É também aconselhada a “desobstrução dos sistemas de escoamento das águas pluviais” para garantir que a água da chuva escoa e a utilização de correntes nas rodas dos automóveis para quem “circular nas áreas atingidas pela queda de neve”.

A ANEPC solicitou ainda à população para evitar a prática de atividades no mar, como a pesca desportiva, os desportos náuticos ou os passeios à beira-mar, e para não estacionar automóveis nas zonas próximas da orla costeira.

A temperatura vai baixar em Portugal continental, podendo atingir a meio da semana menos cinco graus Celsius no interior Norte e Centro, anunciou o IPMA.

Num comunicado publicado na sua página da internet, o organismo que faz a previsão meteorológica em Portugal explicou que esta descida de temperatura se deve à passagem de “superfícies frontais frias que atravessam o território de norte para sul, às quais estão associadas massas de ar polar, provenientes de noroeste”.

c/LUSA

Mário Rui Fonseca

A experiência de trabalho nas rádios locais despertaram-no para a importância do exercício de um jornalismo de proximidade, qual espírito irrequieto que se apazigua ao dar voz às histórias das gentes, a dar conta dos seus receios e derrotas, mas também das suas alegrias e vitórias. A vida tem outro sentido a ver e a perguntar, a querer saber, ouvir e informar, levando o microfone até ao último habitante da aldeia que resiste.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *