'Photo finish' desempatou duelo entre venezuelanos em Ponte de Sor. Foto: mediotejo.net

A Venezuela ‘estreou-se’ hoje no palmarés da Volta ao Alentejo em bicicleta, depois de Orluis Aular (Caja Rural) ter confirmado o triunfo na 39.ª edição, ao ser quarto na última etapa, vencida pelo espanhol Juan José Lobato (Euskaltel-Euskadi).

Esperava-se muito da quinta tirada, mas esta limitou-se a confirmar aquilo que o contrarrelógio de Castelo de Vide delineou: Orluis Aular voltou a demonstrar ser o homem mais forte desta ‘Alentejana’ – venceu duas etapas, foi segundo numa e terceiro noutra -, e levou a amarela para casa, mantendo as diferenças para Xabier Azparren (Euskaltel-Euskadi), segundo a 05 segundos, e José Neves (W52-FC Porto), terceiro a 24.

“Vinha muito bem de forma, porque preparei bem esta prova, porque de seguida tenho a Volta ao País Basco”, resumiu o lacónico ciclista da Caja Rural, assumindo que a ideia da equipa, com este triunfo, era demonstrar que merecia estar na Volta a Espanha, para a qual não foi, surpreendentemente, convidada.

Orluis Aular venceu a 39.ª Volta ao Alentejo em bicicleta. Foto: mediotejo.net

Esta Volta ao Alentejo foi, em suma, uma luta entre equipas espanholas, com as formações nacionais a passarem ao lado da 39.ª edição, exceção feita, novamente, à Tavfer-Mortágua-Ovos Matinados, que triunfou com Leangel Linarez na terceira etapa, e a Rodrigo Caixas, o jovem da LA Alumínios-Credibom-MarcosCar que se sagrou ‘rei da montanha’.

A W52-FC Porto, a ‘anos luz’ da todo-poderosa formação que dominou o ciclismo português nos últimos anos, levou para casa a classificação por equipas, mas hoje desiludiu, ao não ser capaz de esboçar uma tática que permitisse ao campeão nacional de fundo lutar pela amarela.

Sábado: Neves ainda sonhou, mas a vitória foi para o ‘amarela’ Aular

Orluis Aular (Caja Rural) pode ter dado no sábado um passo decisivo para a conquista da 39.ª Volta ao Alentejo em bicicleta, ao vencer o curto e técnico contrarrelógio da quarta etapa, para ‘desgosto’ do português José Neves.

O ciclista venezuelano, embalado pela camisola amarela que vestia, pedalou a uma média de 39,842 km/h no ‘crono’ de 8,4 quilómetros pelas ruas de Castelo de Vide para parar o cronómetro nos 12.39 minutos, deixando os segundo e terceiro classificados, respetivamente Xabier Azparren (Euskaltel-Euskadi) e o luso da W52-FC Porto, a dois segundos.

O técnico contrarrelógio da quarta etapa – um permanente ‘carrossel’, com subidas ‘rompe-pernas’ e descidas com viragens apertadas e curvas ‘cegas’ – fazia adivinhar que só um especialista poderia sair da quarta tirada com a vitória, uma probabilidade que foi confirmada assim que José Neves cortou a meta.

O campeão nacional de fundo foi o 69.º corredor a sair para a estrada e, depois de fixar o melhor tempo, aguardou placidamente sentado pelo desfile dos 50 ciclistas que saíram para a estrada depois de si, até ver, finalmente, o seu tempo ser batido por apenas seis centésimos pelo basco Xabier Azparren (Euskaltel-Euskadi), vencedor da segunda etapa e ex-líder da geral.

“Estar aqui 40 minutos à espera e perder assim é um pouco triste. Já o ano passado perdi o ‘crono’ por oito milésimos [para o campeão Mauricio Moreira], hoje foi por dois segundos… À terceira não foi de vez ”, lamentou José Neves, sem conseguir esconder a deceção e a frustração por ter voltado a ver o triunfo no contrarrelógio de Castelo de Vide fugir-lhe num ‘sopro’.

Aular tem agora ‘apenas’ 171,9 quilómetros, entre Castelo de Vide e Évora, a separá-lo da vitória final na ‘Alentejana’ e do primeiro lugar no pódio instalado na Praça do Giraldo, onde o pelotão irá ‘desembocar’ após uns últimos 800 metros inclinados, no empedrado, e potencialmente perigosos, caso se confirme a chuva prevista para este domingo.

Etapa de Ponte de Sor decidida ao ‘photo finish’ 

A 39.ª Volta ao Alentejo tornou-se em Ponte de Sor uma ‘questão’ venezuelana, após Leangel Linarez (Tavfer-Mortágua-Ovos Matinados) bater na sexta-feira o compatriota Orluis Aular na luta pela terceira etapa, com o ciclista da Caja Rural a ter de ‘contentar-se’ com a amarela.

Quando cortaram a meta, lado a lado, em Ponte de Sor, com o tempo de 3:58.33 horas, foi impossível destrinçar qual dos dois tinha vencido – a incerteza era tanta que nenhum ergueu os braços, ‘reclamando’ o triunfo -, sendo necessário recorrer a uma demorada análise do ‘photo finish’ para perceber que o venezuelano da equipa portuguesa era o vencedor.

A notícia correu rápido e Linarez apressou-se a festejar com os seus colegas aquela que é a sua segunda vitória na temporada, após ter conquistado a Prova de Abertura.

“Tínhamos planeado isto desde que começou a etapa. Estou muito feliz com esta vitória, que é muito justa. Demorou um bocado a ser confirmada, mas acabaram por dar-me a etapa a mim. Pedalei até à linha, foi muito ‘apertado’ e bati um grande amigo, a quem quero felicitar pelo seu segundo lugar”, declarou o corredor de 24 anos.

VIDEO | JOAQUIM GOMES, EX-CICLISTA E DIRETOR DE CORRIDA:

Apesar de derrotado na meta, Orluis Aular valeu-se das bonificações para recuperar a camisola amarela, perdida na véspera para o basco Xabier Azparren (Euskaltel-Euskadi), agora segundo na geral, a três segundos do líder.

Antes da ‘dança de lugares’, motivada pelos segundos de bonificação distribuídos pelos três primeiros na etapa – e também nas metas volantes -, houve 176,7 quilómetros para percorrer desde Elvas, a cidade Património Mundial da Unesco que regressou ao percurso da ‘Alentejana’ 17 anos depois de ter marcado presença pela última vez.

‘Photo finish’ desempatou duelo entre venezuelanos em Ponte de Sor. Foto: mediotejo.net

O ‘valente’ Héctor Sáez, a cumprir a sua primeira temporada em território nacional, com as cores da Glassdrive-Q8-Anicolor, foi o primeiro a conseguir distanciar-se do pelotão, saltando para a frente de corrida, em solitário, ao quilómetro 39.

O espanhol, vencedor de uma etapa da Volta a Portugal em 2019, construiu uma diferença que chegou a ser superior a dois minutos, mas, ao quilómetro 84, ‘recebeu’ a companhia dos compatriotas Ángel Madrazo e Jesús Ezquerra, ambos da Burgos-BH, que contra-atacaram no pelotão.

O entendimento do trio foi insuficiente para a ‘aventura’ vingar, com os fugitivos a serem alcançados a pouco mais de 50 quilómetros da meta, por obra da Euskaltel-Euskadi, apostada em defender a liderança da geral de Xabier Azparren.

Alberto Gallego (Rádio Popular-Paredes-Boavista) e Alexandre Montez (LA Alumínios-Credibom-MarcosCar) ainda tentaram a sua sorte, mas a discussão da terceira etapa haveria de ser feita em pelotão compacto, depois de uma queda a três quilómetros da meta ainda ter causado agitação no grupo.

Lançado o ‘sprint’, os dois venezuelanos foram claramente superiores a toda a concorrência, relegando Daniel Freitas e César Martingil, o duo de ‘sprinters’ da Rádio Popular-Paredes-Boavista, para as terceira e quarta posições, respetivamente.

A 39.ª Volta ao Alentejo tornou-se hoje uma ‘questão’ venezuelana, após Leangel Linarez (Tavfer-Mortágua-Ovos Matinados) bater o compatriota Orluis Aular na luta pela terceira etapa, com o ciclista da Caja Rural a ter de ‘contentar-se’ com a amarela. Foto: mediotejo.net

Somadas as bonificações, Aular voltou a vestir-se de amarelo, algo que encheu de satisfação o vencedor da primeira etapa da 39.ª Volta ao Alentejo.

“Estou contente por ter recuperado a camisola. A equipa esteve fenomenal hoje, fizemos uma grande etapa. Não conseguimos a vitória da etapa, mas recuperámos a liderança”, congratulou-se.

O ciclista da Caja Rural, que tem oito segundos de vantagem para Linarez, terceiro, e nove para Tiago Machado (Rádio Popular-Paredes-Boavista), o melhor português, na quarta posição, já aponta ao curto e decisivo contrarrelógio de sábado, de 8,4 quilómetros, em Castelo de Vide.

“Temos a liderança e isso dá-me alguma vantagem para saber as referências dos restantes corredores. É um ‘crono’ bastante curto e técnico nas descidas. Amanhã [sábado], é dar tudo, porque é a etapa em que se vai decidir a corrida”, concluiu o camisola amarela.

c/LUSA

Fotogaleria e multimédia de Jorge Santiago e David Belém Pereira:

Agência Lusa

Agência de Notícias de Portugal

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado.