Ourém vai propor a criação de um Metro de superfície para ligar as cidades de Fátima e Leiria. Foto ilustrativa: DR

O presidente da Câmara de Ourém anunciou a intenção de o município sugerir a construção de um metro de superfície que ligue Fátima a Leiria, aproveitando o terminal previsto construir futuramente, quando da implementação da linha de alta velocidade entre Lisboa e Porto.

A ideia passa por aproveitar o Período de Consulta Pública do Plano Nacional da Ferrovia, em vigor até 28 de fevereiro, para oferecer este contributo à discussão, disse Luís Albuquerque, em reunião de executivo.

Eletrificar toda a rede nacional, ligar as 10 principais cidades do país com serviços de Alta Velocidade (TGV), assegurar serviços com “elevada qualidade” a 28 centros urbanos de relevância regional, reforçar as ligações a Espanha e atingir os 40% de quota modal no transporte de mercadorias são, em traços gerais, as prioridades do Plano Ferroviário Nacional, apresentado pelo governo no dia 17 de novembro.

O Plano apresentado pelo ministro das Infra-Estruturas ainda não é final, podendo ser alterado durante o processo de consulta pública, que agora se inicia, e depois durante a discussão que terá lugar na Assembleia da República, antecedendo a necessária aprovação no Parlamento. O primeiro-ministro, que esteve na cerimónia ao lado do ministro Pedro Nuno Santos, reforçou essa necessidade de contributos adicionais, pois a estratégia final que for aprovada “transcende muitas das legislaturas de muitos dos que são hoje os decisores políticos”.

O PEN tem como horizonte mais lato o ano de 2050, data limite definida pela União Europeia para ser atingida a neutralidade carbónica. “Os transportes são um dos maiores contribuintes para os gases com efeito de estufa, por isso é preciso apostar na mobilidade coletiva e, dentro dessa mobilidade coletiva, ainda não há nenhum meio de transporte que bata a ferrovia. Não é por acaso que temos toda a Europa a investir na ferrovia”, referiu Pedro Nuno Santos.

Portugal está muito atrasado nesta corrida, fruto do desinvestimento na ferrovia ao longo das últimas décadas, sobretudo a partir dos anos 1990, quando a maioria dos fundos europeus para acessibilidades foram canalizados para a construção de auto-estradas.

Segundo o ministro, o PFN espelha o trabalho que já está a ser feito no quadro do Ferrovia 2020 e plasma também o que está a ser previsto para o Plano Nacional de Investimentos 2030, que são a linha de Alta Velocidade, para ligar Lisboa ao Porto e Porto a Vigo, em Espanha, a eletrificação da totalidade da rede, e a “resolução de bloqueios nas duas áreas metropolitanas”.

Mário Rui Fonseca

A experiência de trabalho nas rádios locais despertaram-no para a importância do exercício de um jornalismo de proximidade, qual espírito irrequieto que se apazigua ao dar voz às histórias das gentes, a dar conta dos seus receios e derrotas, mas também das suas alegrias e vitórias. A vida tem outro sentido a ver e a perguntar, a querer saber, ouvir e informar, levando o microfone até ao último habitante da aldeia que resiste.

Entre na conversa

5 Comentários

  1. Espera que venha mesmo acontecer pois Ourem Fátima e Léria tem recebido milhares e milhares de imigrantes e pessoas vindo das principais cidades como Lisboa,porto em busca dê uma qualidade de vida melhor, porém quando chegam se deparam com a precariedade dos serviços dê transporte público.

  2. Ainda que tal projecto venha a traduzie-se em obra, já nasce “enjeitado”, então e a cidade sede do conselho, fica mais uma vez, esquecida…
    Há que usar a cabeça, e pensar:
    Vamos desenvolver a cidade de Ourém, como?
    Trazendo mais indústria, mais comércio, mais acessibilidades culturais e outras…etc

  3. Mais uma obra que fica na gaveta.Foi assim que ficou a tal ligaçáo linha do norte,(estaçáo de fátima )a cova da iria.Já lá vá o uns quarenta anos.Promessas.Era melhor falassem mais perto das eleiçoes…talvez o Zé potinho acreditaria.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *