Foto: CM Ourém

Elias Silva, presidente da junta de freguesia de Alburitel, Ourém, e autarca há cerca de 20 anos, despediu-se da presidência no domingo, 10 de setembro, com a inauguração do novo edifício da junta. Instalado na antiga escola primária, a estrutura ficou devoluta em 2009 com a abertura de um centro escolar e foi cedida à autarquia de Alburitel para ali instalar a sua sede. Um investimento de cerca de 240 mil euros do município de Ourém.

Foi com um discurso emocionado que Elias Silva agradeceu a todos os que o apoiaram nas últimas duas décadas, constituindo a inauguração da nova junta de freguesia o seu derradeiro ato público enquanto presidente. “Foi a nossa casa aqui, aprendemos as primeiras letras, aprendemos o primeiro sentido do que era a vida”, começou por mencionar, “é uma casa que nos diz muito a cada um de nós”.

O autarca lembrou que a ideia de instalar a sede da junta na antiga primária vem desde 2009, quando esta ficou desativada. “Está na zona centro, a zona nobre da localidade”, explicou, pelo que “pensámos que fazia todo o sentido que transferíssemos para aqui as instalações da junta de freguesia”, cujo edifício-sede não oferecia boas condições aos utentes. Ainda se equacionou instalar ali o posto médico, mas chegou-se à conclusão que não havia espaço suficiente.

Segundo Elias Silva ficam a faltar apenas os arranjos exteriores, que contemplam casas de banho públicas e um parque infantil, no que intitulou de “cento cívico”. Esta primeira fase do investimento foi comparticipada pelo município em cerca de 240 mil euros.

O presidente não conseguiu esconder alguma comoção quando lembrou que este era o seu último ato público, depois de 20 anos na junta de freguesia. “O meu agradecimento profundo pela confiança que depositaram em mim”, referiu, “foi um privilégio grande”, tendo procurado “exercer o cargo o melhor que soube”. “Saio de cabeça erguida, com o sentimento de dever cumprido”, terminou.

Presente na ocasião, o presidente da Câmara Municipal, Paulo Fonseca, começou por lembrar que a estratégia do município tem sido ceder a associações ou instituições públicas os antigos edifícios das escolas básicas. “Vender edifícios devolutos não resolve problema nenhum”, afirmou, “o património municipal deve sempre ser enriquecido”.

Deixou de seguida um elogio a Elias Silva, um presidente que sempre foi persistente na defesa dos interesses da sua freguesia. Proporia assim a realização de uma homenagem ao autarca. 

Cláudia Gameiro

Cláudia Gameiro, 32 anos, há nove a tentar entender o mundo com o olhar de jornalista. Navegando entre dois distritos, sempre com Fátima no horizonte, à descoberta de novos lugares. Não lhe peçam que fale, desenrasca-se melhor na escrita

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado.