Municípios de Oleiros, Proença-a-Nova e Sertã promovem “Cortiçada Art Fest”. Foto: DR

O Festival de Experiências Artísticas na Paisagem, promovido pelos municípios de Oleiros, Proença-a-Nova e Sertã, tem como objetivo promover a interioridade, combater o despovoamento e dar nova vida aos três concelhos. O “Cortiçada Art Fest – Festival de Experiências Artísticas na Paisagem” é uma iniciativa conjunta de três municípios do distrito de Castelo Branco (Oleiros, Proença-a-Nova e Sertã), produzido em colaboração com o escritório de arquitetura MAG – Marques de Aguiar.

O projeto, financiado pela Direção-Geral das Artes (DGArtes), irá contar com a instalação de três obras artísticas na paisagem e um conjunto de eventos que envolvem artistas e população local dos três municípios.

O objetivo é promover a interioridade, combater o despovoamento e dar uma nova vida a estes concelhos afetados de modo significativo pelos fogos florestais.

“Não sabemos ainda as datas em que vamos poder avançar com alguns dos eventos, dadas as circunstâncias que atravessamos”, explica, em comunicado, Marta Marques de Aguiar, da equipa dinamizadora do projeto.

As três obras na paisagem vão nascer em cada um dos municípios, Oleiros, Proença-a-Nova e Sertã, explorando cada uma delas lugares de exceção na paisagem.

Marta Marques de Aguiar sublinha que o “Cortiçada Art Fest” está a criar as condições para manter a instalação das obras na paisagem e um conjunto de iniciativas ‘online’, com os vídeos feitos com conversas com pessoas da terra e um conjunto de debates sobre um futuro melhor na interioridade, que dá voz a artistas, arquitetos, ‘chefs’, ilustradores, paisagistas, amantes da natureza, entre outros.

O projeto inclui ainda a realização do “Cortiçada Week”, uma semana de oficinas de arte na paisagem direcionada para estudantes e dinamizada através de um concurso internacional de construção em madeira queimada.

O “Cortiçada Weekend” é outra iniciativa que inclui um fim de semana de concertos e oficinas de arte na paisagem, dinamizadas com associações e população local.

Este último foi adaptado para acontecer nos dias 31 de julho, 01 e 02 de agosto, em direto dos três municípios.

“A atual conjuntura que atravessamos, com a pandemia da covid-19, faz-nos pensar neste projeto com mais força, porque, embora saibamos que estamos condicionados pela quarentena e pelo isolamento social, estamos a trabalhar para dar a uma região uma nova dinâmica que possa trazer nova vida à paisagem e a estes concelhos tão afetados pelos incêndios e pelo abandono da população”, conclui a dinamizadora do projeto.

Agência Lusa

Agência de Notícias de Portugal

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado.