Centro Hospitalar do Médio Tejo suspende visitas e restringe acompanhantes em plano de contenção da pandemia. Foto: DR

O Centro Hospitalar do Médio Tejo (CHMT) reforçou as medidas para contenção da pandemia do Covid-19 e suspendeu esta sexta-feira todas as visitas dos doentes no Internamento e Departamento de Urgência dos hospitais de Abrantes, Tomar e Torres Novas e restringiu a presença de acompanhantes apenas aos serviços de Pediatria.

Em comunicado,  o Conselho de Administração do CHMT dá conta de ter reforçado hoje as medidas do plano de contingência considerando a recente declaração de Pandemia pela Organização Mundial de Saúde, face à propagação do Novo Coronavírus, e o estado de Alerta declarado pelo Estado Português, tendo implementado as novas medidas desde as 22:00 do dia 13 de março, sexta-feira.

Assim, segundo as novas diretivas, estão proibidas todas as visitas dos doentes no Internamento e Departamento de Urgência do CHMT, sendo que, no caso do Serviço de Pediatria, são mantidas as regras anteriormente definidas, nomeadamente um acompanhante não substituível, obrigatoriamente credenciado junto do Serviço.

É proibido o acompanhamento de doentes em ambulatório e no Departamento de Urgências, a não ser quando seja comprovada a necessidade de acompanhante do doente em virtude dos seu estado de dependência.

As consultas externas tenderão a ser não presenciais, ficando essa decisão a cargo do respetivo médico assistente.

Os tratamentos de fisioterapia prestados a doentes em regime de ambulatório ficam suspensos, revertendo a capacidade existente para os doentes em internamento.

Estas medidas, agora em vigor, “visam a proteção de doentes e profissionais do Centro Hospitalar do Médio Tejo, EPE, no âmbito da pandemia do novo Coronavírus e manter-se-ão enquanto se justifique, podendo ser alteradas em virtude do evoluir da situação do surto epidemiológico em curso”, conclui.

Mário Rui Fonseca

A experiência de trabalho nas rádios locais despertaram-no para a importância do exercício de um jornalismo de proximidade, qual espírito irrequieto que se apazigua ao dar voz às histórias das gentes, a dar conta dos seus receios e derrotas, mas também das suas alegrias e vitórias. A vida tem outro sentido a ver e a perguntar, a querer saber, ouvir e informar, levando o microfone até ao último habitante da aldeia que resiste.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado.