Foto: CMM

A Câmara Municipal de Mação, em concertação com os restantes Municípios que compõem a Comunidade Intermunicipal do Médio Tejo, adquiriu máscaras comunitárias/de uso social, que permitem várias utilizações por cada pessoa. Em Mação, a autarquia iniciou esta quinta-feira, dia 14, a distribuição aleatória de 7 mil máscaras que irão ser entregues por todas as freguesias, pelas mãos de equipas de funcionários da Câmara Municipal. Ainda assim, a CMM alerta que o processo irá demorar, pelo que não irão todos os munícipes receber a sua máscara comunitária ao mesmo tempo. A CM Mação espera concluir a distribuição total até final de maio.

A autarquia frisa, em nota enviada à imprensa, que “a distribuição é feita porta-a-porta, por equipas de funcionários da Câmara Municipal de Mação” e de forma aleatória, freguesia a freguesia.

Cada casa receberá o número de máscaras “correspondentes ao agregado familiar, do qual será feito registo pelos funcionários responsáveis pela sua entrega.

“Será um trabalho exigente e moroso, pelo que não vão todos os munícipes receber no mesmo dia. Alguns receberão já, outros até final de maio, quando julgamos ter cumprido este grande objetivo”, refere a mesma informação.

Por outro lado, se durante a ação de distribuição de máscaras comunitárias existirem casas sem resposta pelos residentes, estando estes ausentes para trabalhar ou por qualquer outro motivo, as equipas não deixarão máscaras no local por desconhecer a composição dos agregados familiares em questão.

Nestes casos, quem não receber e percebendo que na sua aldeia já foi feita a entrega, deve contactar a Câmara Municipal através do tlf.: 241 577 248. Podem também enviar um e-mail para biblioteca@cm-macao.pt, devendo indicar a composição do agregado familiar, morada e contacto. A entrega será feita posteriormente. Ainda assim, a CMM solicita que só se contacte para reclamar a entrega de máscaras comunitárias nos casos em que haja “certeza de que no local onde vivem já foi feita a referida distribuição”.

Mais informa a autarquia maçaense que todas as máscaras “foram adquiridas em pacote, numa parceria com a Comunidade Intermunicipal do Médio Tejo com todos os municípios que a compõem, tendo sido privilegiada a aquisição das máscaras a empresas da região, pelo que são máscaras de várias formas e feitios, mas todas são máscaras comunitárias, reutilizáveis”.

Lembrando que esta ação de distribuição por todo o concelho “será um trabalho moroso” mas com o objetivo de “chegar a todos”, passando “em todas as localidades”, o Município de Mação assume de antemão que “haverá certamente falhas ou situações que possam correr menos bem, mas tudo faremos para que corra pelo melhor. Pedimos, por isso, compreensão e paciência”.

Com o retomar da economia numa nova normalidade, marcada pela “reabertura de vários estabelecimentos, com o fim do Estado de Emergência e a atual Situação de Calamidade, a Câmara Municipal de Mação oferece-lhe uma máscara reutilizável, que pode ser lavada e utilizada várias vezes, com o objetivo de o/a ajudar a retomar alguns hábitos do dia-a-dia e a aceder a necessidades fora de casa, com a devida e recomendada proteção”.

Porém, esta deverá ser entendida como uma entrega “meramente simbólica”, pela incapacidade de fazer “entregas sistemáticas” de máscaras à população.

A CM Mação relembra os munícipes, na mesma informação divulgada esta quinta-feira, dia 14, que “o vírus não desapareceu, o mal não passou, ainda há certos cuidados que temos que ter. O dever cívico de recolhimento, as medidas de distanciamento entre as pessoas (2 metros), a higiene das mãos e a etiqueta respiratória continuam a ser as nossas melhores armas para não sermos atingidos. Com esta máscara pensamos estar a dar-lhe mais um meio de proteção”, indica.

Também com a entrega de máscaras reutilizáveis e de uso social, pretende “evitar o uso generalizado de máscaras cirúrgicas, de uma única utilização, não comprometendo assim o seu o acesso pelos respetivos destinatários, uma vez que são necessárias para os doentes, assim como para o desempenho de funções dos profissionais de saúde e outros grupos prioritários definidos pelas entidades competentes (Informação n.º 009/2020, de 13 de abril de 2020, da DGS)”, conclui a CMM.

Joana Rita Santos

Formada em Jornalismo, faz da vida uma compilação de pequenos prazeres, onde não falta a escrita, a leitura, a fotografia, a música. Viciada no verbo Ir, nada supera o gozo de partir à descoberta das terras, das gentes, dos trilhos e da natureza... também por isto continua a crer no jornalismo de proximidade. Já esteve mais longe de forrar as paredes de casa com estantes de livros. Não troca a paz da consciência tranquila e a gargalhada dos seus por nada deste mundo.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado.