Barco Picareto de Ortiga (Mação) foi vencedor da Final distrital do concurso distrital das 7 Maravilhas da Cultura Popular. Foto: CM Mação

O Município de Mação apresentou candidatura ao concurso 7 Maravilhas de Portugal 2020, este ano com o tema Cultura Popular. A autarquia anunciou ter feito uma “candidatura múltipla”, que permitiu concorrer nas sete categorias disponíveis, estando assim nomeadas diversos usos, costumes e tradições do concelho. Entre os nomeados constam as Velas de Cardigos, Lenda de Nossa Senhora da Moita, Feira dos Santos, Passo Lento, Terço da Farinheira, Procissão do Divino Espírito Santo de Cardigos e os Barcos Picaretos de Ortiga.

A autarquia refere, em nota enviada à imprensa, que a seleção dos eventos, usos e costumes “passou pela criação de um grupo de trabalho entre técnicos da CM Mação, que contaram com a importante colaboração de pessoas de vários pontos do concelho com conhecimentos sobre as várias temáticas em apreço”. A Câmara Municipal “decidiu pelas que sobressaem pela sua singularidade e representatividade”.

Assim, vão a concurso na categoria de Artesanato: Velas de Cardigos; Lendas e Mitos: Lenda de Nossa Senhora da Moita, de Galega/Feiteira (freguesia de Carvoeiro); Festas e Feiras: Feira dos Santos; Músicas e Danças: Passo Lento, de Ortiga; Rituais e Costumes: Terço da Farinheira, de Mação; Procissões e Romarias: Procissão do Divino Espírito Santo, de Cardigos; Artefactos: Barcos Picaretos do Tejo, de Ortiga.

Com esta candidatura, o Município pretende “valorizar e promover a história e identidade cultural do concelho e das suas gentes”.

A 7 de Junho, com atraso de 1 mês, em virtude dos constrangimentos causados por covid-19, serão apresentados 7 patrimónios de cada região, num total de 140 finalistas regionais, que participarão nas respetivas eliminatórias regionais. Esta apresentação será feita num programa em direto na RTP1.

Joana Rita Santos

Formada em Jornalismo, faz da vida uma compilação de pequenos prazeres, onde não falta a escrita, a leitura, a fotografia, a música. Viciada no verbo Ir, nada supera o gozo de partir à descoberta das terras, das gentes, dos trilhos e da natureza... também por isto continua a crer no jornalismo de proximidade. Já esteve mais longe de forrar as paredes de casa com estantes de livros. Não troca a paz da consciência tranquila e a gargalhada dos seus por nada deste mundo.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado.