Foto: mediotejo.net

A Câmara Municipal de Mação tem estado atenta à realidade vivida pelas associações do concelho, que viram os seus planos de atividades interrompidos pela pandemia de covid-19, tendo muitos dos eventos ficado por realizar e outros em dúvida sobre quando será possível fazê-lo. Em tempo de afastamento social, medidas de segurança restritivas e impedimento de grandes aglomerados, teme-se que muitas das festas de verão, principais eventos de algumas coletividades, não se realizem este ano, algumas por decisão das próprias comissões e direções. Como tal, a autarquia tem estado a preparar medidas de apoio às associações de Mação, nomeadamente subsídios para poderem enfrentar as despesas e subsistir nestes novos tempos, como sinal de motivação e reconhecimento do seu papel e dinamismo.

“As associações têm sido, são e espero que continuem a ser determinantes no concelho e têm ajudado a mitigar a realidade em muitas localidades, em termos de falta de população, de dinamismo e têm tido um papel de proximidade e dinamização que todos devemos reconhecer”, referiu Vasco Estrela, na passada reunião de Câmara Municipal.

O autarca lembrou que, todos os anos, a Câmara contribuía com 250 euros para as associações que realizam festas populares de verão. “Não havendo, penso eu, grandes possibilidades de este ano serem realizadas festas, propunha que o município pudesse dar o valor a todas as associações que realizaram a festa o ano passado”, disse.

Por outro lado, propõe-se o aumento da dotação anual que o município tem reservado, nos últimos anos, de um total de 50 mil euros para apoiar as coletividades, mas Vasco Estrela entende que esse valor deva ser aumentado em 15% em relação ao ano anterior.

“É dar um sinal da importância das associações, muitas delas independentemente de terem receitas próprias, têm despesas correntes e fixas de algum volume”, disse, lembrando que apesar de muitas ainda manterem algum dinamismo, por exemplo, mantendo o café da aldeia aberto mediante regras e medidas de proteção e higienização, outras fecharam portas sem perspetiva de quando as voltarão a abrir.

Em cima da mesa está ainda uma reunião com todas as associações, talvez a meados deste mês de junho, para um “ponto de situação sobre o que tem acontecido e perceber a sensibilidade com que cada uma das associações está. Queremos dar um sinal de motivação a estas associações que eram ponto de encontro de pessoas da terra”, reconheceu o edil.

Outra proposta a ser avaliada, por sugestão do vereador Vasco Marques, que deverá ser deliberada no futuro, prende-se com o prolongar até setembro da apresentação das candidaturas ao Regulamento Municipal de Apoio ao Associativismo.

Com estas medidas, afirma Vasco Estrela, o município pretende “dar um sinal de que podem contar connosco e de que são importantes para o nosso concelho”.

Segundo o autarca, independentemente destas propostas, outras deliberações e medidas poderão ser tomadas até final de junho nesta matéria.

Joana Rita Santos

Formada em Jornalismo, faz da vida uma compilação de pequenos prazeres, onde não falta a escrita, a leitura, a fotografia, a música. Viciada no verbo Ir, nada supera o gozo de partir à descoberta das terras, das gentes, dos trilhos e da natureza... também por isto continua a crer no jornalismo de proximidade. Já esteve mais longe de forrar as paredes de casa com estantes de livros. Não troca a paz da consciência tranquila e a gargalhada dos seus por nada deste mundo.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado.