Autarcas da Câmara, Assembleia e Junta de Freguesia de Ferreira do Zêzere. Foto: mediotejo.net

Com homenagens e reconhecimentos públicos a autarcas, estudantes e instituições, a Junta de Freguesia de Ferreira do Zêzere comemorou a 12 de março o Dia da Freguesia, data que assinalou os 509 anos do foral de D. Manuel à vila de Ferreira do Zêzere.

O tempo chuvoso fez alterar o programa que se desenrolou no interior do mercado municipal. Foi aí que a Filarmónica Ferreirense interpretou a Marcha de Ferreira do Zêzere, simulando a arruada que estava prevista.

O primeiro a discursar foi o presidente da Junta, Armando Cotrim, que depois de uma contextualização histórica, referiu-se aos “tempos únicos com consequências imprevisíveis a vários níveis” que estamos a viver.

Referia-se primeiro à pandemia de Covid-19, aproveitando para homenagear todos os profissionais de saúde e da linha da frente e a todos os familiares e amigos dos que perderam vidas e para aqueles que têm lutado dia-a-dia nas consequências económicas, sociais e culturais com esta pandemia. E depois, à guerra na Ucrânia em que o concelho e os ferreirenses não têm ficado indiferentes e têm-se mostrado solidários ao participarem nas várias campanhas de recolha de bens.

ÁUDIO | ARMANDO COTRIM, PRESIDENTE JF FERREIRA DO ZÊZERE:

A exercer o cargo de presidente da Junta há cerca de cinco meses, Armando Cotrim aproveitou para fazer um balanço daquilo que já foi feito e do ambiciona para o seu território: “apoiar a cultura e a educação, estar perto da população, acompanhar os idosos principalmente os que estão sós, as famílias e os recém-nascidos, desenvolver a freguesia com sustentabilidade ambiental, recuperar e valorizar o património, dar vida à vila, apoiar as coletividades, mais e melhor desporto e lazer, mais pontos de acesso ao rio Zêzere devidamente licenciados, novas praias ribeirinhas, parque biológico, parque de campismo, observatório astronómico, Internet com qualidade e espaços coworking, para que muitos venham ou regressem à nossa terra”.

Interveio a seguir o presidente da Câmara Municipal que se mostrou orgulhoso por estar ali a comemorar aquela data histórica, falando em “509 anos de muita história, de gentes, de vontades, de desafios, de resistência, de muito amor”.

“Estes 509 anos são o resultado daquilo que nós somos: ferreirenses cheios de orgulho”, afirmou Bruno Gomes, realçando o “bairrismo, a unidade e a valorização das gentes da terra”.

ÁUDIO | BRUNO GOMES, PRESIDENTE CM FERREIRA DO ZÊZERE:

O autarca aproveitou para dar os parabéns pelo facto de a Junta “homenagear e enaltecer estas pessoas, antigos presidentes de junta” para quem pediu uma salva de palmas.

Congratulou-se também pelas condecorações aos alunos que terminaram uma etapa importante das suas vidas, a conclusão de formação académica superior e ao grupo de teatro que existiu na vila nos anos 60.

Bruno Gomes, terminou deixando uma mensagem de incentivo ao executivo da Junta e anunciou a chegada para breve de mais de uma dezena de refugiados ucranianos, que vão ser acolhidos pelos ferreirenses.

Apelo à união dos ferreirenses

A seguir, o presidente da Assembleia Municipal começou por enaltecer os autarcas e estudantes homenageados. Na senda dos apelos que tem feito nas sessões da Assembleia Municipal, José Casanova, lançou um apelo à união de todos os ferreirenses, independentemente das suas simpatias partidárias, recorrendo ao aforismo de que “é mais forte o que nos une do que aquilo que nos separa”.

ÁUDIO | JOSÉ CASANOVA, PRESIDENTE AM FERREIRA DO ZÊZERE:

Defendendo mais proximidade, transparência, e congregação nos grandes objetivos, desejou que o concelho de Ferreira do Zêzere entre numa via de desenvolvimento, desafio para o a qual apelou à participação de todos os ferreirenses.

Seguiu-se a atribuição de medalhas de honra aos ex-presidentes da Junta de Freguesia de Ferreira do Zêzere, alguns a título póstumo, “que se destacaram no exercício de atividades de interesse excecional e altamente relevante para a freguesia, pelas suas qualidades humanas, intelectuais, políticas e profissionais, e cujo nome enalteceu e está ligado à história da Freguesia”.

Um a um foram nomeados os antigos autarcas José Lourenço Dias Mouga (medalha entrega ao neto Raúl Bairros), Mariano Gomes Caldeira (entrega a filha Fernanda Ideias), António da Conceição Pedro (entrega a filha Risoleta Pedro), José Tomaz da Cruz (entrega a filha), Carlos Ferreira Salgado, Manuel Cardoso Lourenço e Pedro Manuel dos Santos Alberto.

O novo executivo da Junta decidiu também atribuir medalhas de mérito aos estudantes que terminaram no ano de 2021 qualquer grau académico pós-ensino obrigatório, sendo certo que nem todos deram conhecimento desse facto à Junta de Freguesia.

Foram atribuídas medalhas a Andreia Filipa Alves São Pedro (Licenciatura Biotecnologia), Carolina Sofia Ramalho Gomes (Licenciatura Diatética e nutrição), Diogo Ferreira Silva (Engenharia Mecânica Automóvel), Joana Martins Silva (Doutoramento em ciência, tecnologia e gestão do mar), Mafalda Filipa Faroleira Mestre (Licenciatura em Gestão de empresas), Maria Inês Coelho Cotrim (Licenciatura em Educação Social), Mónica Soraia Figueiredo Antunes (Licenciatura em Ciências da Educação), Sandra Cristina Antunes Amaro (Mestrado em Educação especial, domínio cognitivo e motor), Carolina Carraço (Licenciatura em Relações Humanas e Comunicação Organizacional) e Andreia Filipa Antunes Nunes  (Licenciatura em Psicologia).

Por fim, em nome do “Grupo Cénico de Ferreira do Zêzere”, que marcou o panorama cultural do Concelho na década de 60, recebeu a medalha Ercílio Natálio.

Tratou-se de um “reconhecimento de Mérito da Freguesia ao Grupo de Teatro pela sua notabilização na valorização das gentes de Ferreira do Zêzere, na divulgação de costumes e tradições locais e pela contribuição de forma destacada para a promoção da cultura antes do 25 de abril”.

Pertenceram à fundação deste grupo de teatro nomes como Luís Beira (encenador), Armando Marçalo, Victor Ferreira, Pedro Júlio Galinha, Rui Godinho, Daniel Mónica, António Laureano, João Faria, Emília, Teresa Franco, Fernanda Faria, Belita Vaz, Ercílio Natálio, entre outros.

Houve ainda reconhecimento a uma funcionária da Junta pelos bons serviços prestados. A encerrar a sessão, o ator Manuel Diogo fez um apontamento de teatro e a Filarmónica Ferreirense voltou a interpretar a Marcha de Ferreira.

Foi no dia 12 de março de 1513 que o rei D. Manuel atribui Foral Novo à Vila de Ferreira, que assim se viu desmembrada de Vila de Rei, passando a deter, a partir de então, forca e pelourinho próprios.

José Gaio

Ganhou o “bichinho” do jornalismo quando, no início dos anos 80, começou a trabalhar como compositor numa tipografia em Tomar. Caractere a caractere, manualmente ou na velha Linotype, alinhavava palavras que davam corpo a jornais e livros. Desde então e em vários projetos esteve sempre ligado ao jornalismo, paixão que lhe corre nas veias.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado.