Inclusão social e apoio à vida independente das pessoas com deficiência estiveram no centro das atenções no Entroncamento. Foto: CME

O Entroncamento acolheu o I Encontro “Uma sociedade mais próxima, um cidadão mais independente”, onde o mote foi a inclusão dos deficientes nas mais variadas áreas, desde o ensino superior, o emprego, o desporto, a atividade física e as acessibilidades na comunidade. A sessão contou com a presença e contributos da secretária de Estado da Inclusão Social, Ana Sofia Antunes.

A sessão, que decorreu no dia 1 de julho no Cineteatro São João, marcou o 3º aniversário do CAVI – Centro de Apoio à Vida Independente, do CERE – Centro de Ensino e Recuperação do Entroncamento, e contou com a presença de oradores reconhecidos nos vários painéis e que se destacam nas suas áreas de intervenção.

O CAVI é um projeto-piloto que presta apoio de assistência pessoal a pessoas com deficiência ou incapacidade que residam nos seus domicílios, para a realização de atividades que devido às suas limitações, não as consigam fazer com autonomia.  Este Centro abrange toda a região de Santarém e neste momento está a apoiar 30 utentes e as suas famílias.

Na cerimónia de abertura deste I Encontro estiveram a secretária de Estado para a Inclusão, Ana Sofia Antunes, o presidente da Câmara Municipal, Jorge Faria, o presidente do CERE, David Ramos e a representante do INR – Instituto Nacional para a Reabilitação, Teresa Varandas.

Entroncamento debateu inclusão social e apoio à vida independente. Foto: CME

O presidente da Câmara Municipal, destacou a importância do trabalho desenvolvido pelo CERE através das respostas sociais, quer seja através do CAVI, de apoio domiciliário, do lar residencial ou do serviço de atendimento e acompanhamento social, que ao longo dos anos tem feito a diferença na vida dos utentes, das suas famílias e da comunidade em geral.

O autarca realçou a distinção do Município como “Marca Entidade Empregadora Inclusiva”, pela integração de pessoas com deficiência na sua organização interna e referiu ainda a importância do trabalho desenvolvido pelo Balcão de Inclusão no concelho.

INR e IPDJ juntam-se para promover prémio “Desporto + Acessível”

O Instituto Português do Desporto e Juventude (IPDJ) e o Instituto Nacional de Reabilitação (INR) apresentaram esta semana o prémio “Desporto + Acessível”, que visa distinguir projetos para pessoas com deficiência, a mais recente medida lançada pelo governo mas que já estava pensada há algum tempo, revelou na sessão, que decorreu em Lisboa, a secretária de Estado da Inclusão das Pessoas com Deficiência.

O prémio, que tem periodicidade anual e deseja promover o desenvolvimento do desporto e da atividade física para pessoas com deficiência, com vista à sua inclusão social, é aberto diversos organismos, desde escolas a ginásios, passando por entidades da administração pública e empresas.

Ana Sofia Antunes, secretária de Estado da Inclusão das Pessoas com Deficiência, revelou que a ideia para a criação deste prémio surgiu no mandato anterior e que o desejo é tornar o desporto para as pessoas com deficiência cada vez menos uma prática segregada e restrita.

“Queremos que este prémio seja um estímulo para que se consiga fazer mais e melhor neste domínio, que possamos ter candidaturas diversificadas e assim incentivar a prática desportiva e incentivar quem tem feito esta caminhada desde há muitos anos a esta parte. Desejamos que cada vez menos se pense no desporto para pessoas com deficiência com uma área segregada e em federações específicas”, disse a governante, assumindo que há trabalho por fazer no âmbito da inclusão e que tem de ser dada, desde já, atenção às camadas mais jovens, “criando-lhes o gosto e aptidão pelo desporto”.

No Entroncamento, no dia 1 de julho, foi ainda assinado na sede da Junta de Freguesia de Nossa Senhora de Fátima, um Protocolo entre a ANAFRE – Associação Nacional de Freguesias, representada pelo seu presidente, Jorge Veloso, e o Instituto de Segurança Social, representado pela vogal Sofia Carvalho, sobre o Estatuto do Cuidador Informal, um momento presidido pela secretária de Estado da Inclusão, Ana Sofia Antunes e que contou com a presença do Diretor Regional da Segurança Social, Renato Bento.

Mário Rui Fonseca

A experiência de trabalho nas rádios locais despertaram-no para a importância do exercício de um jornalismo de proximidade, qual espírito irrequieto que se apazigua ao dar voz às histórias das gentes, a dar conta dos seus receios e derrotas, mas também das suas alegrias e vitórias. A vida tem outro sentido a ver e a perguntar, a querer saber, ouvir e informar, levando o microfone até ao último habitante da aldeia que resiste.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado.