Estação do Entroncamento. Foto: mediotejo.net

Os deputados do PS eleitos por Santarém defendem uma “intervenção profunda” na Estação Ferroviária do Entroncamento para tornar esta infraestrutura “moderna e segura”. Para o efeito, na quarta-feira, 9 de dezembro, os deputados apresentaram, por escrito, duas questões dirigidas ao Ministro das Infraestruturas e da Habitação sobre o assunto.

Os deputados eleitos por Santarém querem saber se está prevista a obra de reabilitação da estação e em que pacote de investimentos se insere. “Este é um desejo antigo da população, alicerçado nas posições públicas do Município do Entroncamento e da Comunidade Intermunicipal do Médio Tejo”, argumentam.

Os deputados salientam que a estação está ultrapassada pelo tempo “originando dificuldades na mobilidade, na segurança e no socorro de todos os que a utilizam”.

A estação, para além de servir a cidade, serve igualmente toda a região do Médio Tejo, sendo a principal porta ferroviária para os seus cerca de 250 mil cidadãos.

Em comunicado, os eleitos lembram que “os Governos do Partido Socialista, desde 2015, apostaram nesta cidade, como é visível através do investimento feito nas oficinas da antiga EMEF e nas garantias de financiamento ao Museu Nacional Ferroviário”, tendo feito notar que “a valorização dos ferroviários, em medidas tão simbólicas como o restabelecimento das concessões ferroviárias, foi igualmente uma realidade”.

Os socialistas lembram que “também a descida dos preços dos passes sociais para cerca de metade se confirmou, beneficiando largas centenas de pessoas que os utilizam” a partir da cidade do Entroncamento.

“No atual contexto existe um amplo consenso da necessidade da aposta na ferrovia, como vetor essencial para o desenvolvimento e sustentabilidade dos territórios”, concluem.

Mário Rui Fonseca

A experiência de trabalho nas rádios locais despertaram-no para a importância do exercício de um jornalismo de proximidade, qual espírito irrequieto que se apazigua ao dar voz às histórias das gentes, a dar conta dos seus receios e derrotas, mas também das suas alegrias e vitórias. A vida tem outro sentido a ver e a perguntar, a querer saber, ouvir e informar, levando o microfone até ao último habitante da aldeia que resiste.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado.