Polo Artístico da Sertã tem inscrições abertas para cursos livres até dia 31. Foto: DR

A Federação de Bandas Filarmónicas do Distrito de Portalegre alertou hoje que o futuro da atividade está em risco, por falta de receitas provenientes das atuações, que foram canceladas este ano devido à pandemia de covid-19. “O mais perigoso é o ano de 2021. Uma banda vive com a receita do ano anterior. Não tendo feito receita este ano, 2021 afigura-se muito preocupante”, alertou o presidente da Federação de Bandas Filarmónicas do Distrito de Portalegre, Miguel Batista, em declarações à agência Lusa.

O responsável mostrou-se particularmente preocupado com o futuro das bandas filarmónicas da região que “têm pouco apoio ou nenhum” por parte de municípios, sublinhando que esta situação poderá condicionar a sua atividade no futuro.

A Federação de Bandas Filarmónicas do Distrito de Portalegre conta com 13 bandas associadas.

De acordo com Miguel Batista, a formação de músicos não está “para já” condicionada, mas o próximo ano letivo, “provavelmente”, vai contar com “limitações” nesta área.

“Sem receitas, [as bandas] vão olhar para os meios que têm, não vão ter tantos monitores a trabalhar, vão limitar-se exclusivamente ao maestro, o que é mau, pois reflete-se na qualidade”, disse.

Miguel Batista defendeu ainda que as filarmónicas deveriam ser apoiadas nesta altura pelo Ministério da Cultura, uma vez que “há mais de 700 bandas no país”, existindo o risco de algumas encerrarem a sua atividade.

Agência Lusa

Agência de Notícias de Portugal

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *