ACES Médio Tejo soma hoje mais 51 pessoas infetadas pelo novo coronavírus. Foto: DR

Nas últimas 24 horas há cinco novos casos de doentes por covid-19 nos 11 municípios do Agrupamento de Centros de Saúde (ACES) do Médio Tejo (+2,4%), estando os mesmos sinalizados em Abrantes, Alcanena, Entroncamento, Ourém e Torres Novas. Este ACES tem um total acumulado de 216 pessoas infetadas, das quais 114 recuperadas, 55 pessoas em vigilância ativa e dois óbitos, o que se traduz num aumento de 74 casos registados num mês, ou seja, desde o período pós confinamento (dia 3 de maio).  Torres Novas (52), Ourém (50), Abrantes (41), Tomar (22), Entroncamento (21), Alcanena (14), Vila Nova da Barquinha (7), Constância (3), Ferreira do Zêzere, Mação e Sardoal (2) são os dados acumulados de casos positivos referentes aos 11 municípios do ACES Médio Tejo até às 19:30 desta quarta-feira. Santarém teve hoje três mortes por covid-19.

A Delegada de Saúde Pública do Agrupamento de Centros de Saúde do Médio Tejo, Maria dos Anjos Esperança, disse ao mediotejo.net que os resultados dos testes efetuados em Abrantes por ligações a um agregado familiar que teve três casos de covid-19 deram todos negativo, estando, no entanto, 22 cidadãos em vigilância ativa. Dos cinco casos de hoje três são de pessoas pessoas que não residem na região, tendo a responsável dado conta que esta quinta-feira, dia 4 de junho, os profissionais de saúde das dezenas de lares sem licenciamento nos municípios do ACES Médio Tejo vão começar a ser todos testados.

Os municípios de Torres Novas (51), Ourém (49), Abrantes (40), Tomar (22), Entroncamento (20), Alcanena (13), Vila Nova da Barquinha (7), Constância (3), Ferreira do Zêzere, Mação e Sardoal (2) são os dados acumulados de casos positivos referentes aos 11 municípios do ACES Médio Tejo até às 19:30 desta quarta-feira.

Os 11 municípios deste ACES somam um total de 216 casos acumulados desde 16 de março, dia em que foi conhecido o 1º caso na região, dos quais 114 pessoas já recuperaram totalmente da doença e 55 estão hoje em vigilância ativa, dos quais 22 em Abrantes, 15 no Entroncamento,10 em Ourém, 7 em Torres Novas, e 1 em Tomar. Com os casos da Sertã (6) e Vila de Rei (1) o Médio Tejo soma um total de 223 pessoas infetadas, das quais 119 cidadãos já recuperaram completamente da doença.

A Sertã tem seis casos confirmados, dos quais quatro pessoas recuperadas da doença, e Vila de Rei teve um doente, também já considerado curado. No total dos 13 municípios da região do Médio Tejo há um acumulado de 223 casos confirmados de covid-19, sendo que 119 pessoas estão recuperadas do vírus.

Os dados pós confinamento e depois do levantamento do Estado de Emergência mostram uma evolução de 74 casos positivos nos 13 municípios (33% dos 218 casos), o que aponta para um crescimento de 49.3% desde o dia 3 de maio na área geográfica do Médio Tejo.

Ainda pelo Médio Tejo, na área territorial da Comunidade Intermunicipal (CIM) do Médio Tejo, mas ligados ao ACES do Pinhal Interior Sul, há sete casos positivos a registar, seis (6) dos quais na Sertã e um (1) em Vila de Rei. Um doente em Vila de Rei e quatro na Sertã já foram dados como recuperados. Assim, os 13 concelhos da CIM Médio Tejo apresentam até esta quarta-feira, dia 03 de junho, um total de 218 pessoas infetadas pela covid-19, das quais resultaram duas mortes (números oficiais do ACES) e 119 pessoas recuperadas.
O ACES Médio Tejo abrange 11 municípios e cerca de 225 mil utentes/frequentadores, sendo composto pelos municípios de Abrantes, Alcanena, Constância, Entroncamento, Ferreira do Zêzere, Mação, Ourém, Sardoal, Tomar, Torres Novas e Vila Nova da Barquinha. Vila de Rei e Sertã estão ligados ao ACES do Pinhal Interior Sul.
Gavião e Ponte de Sor, no Alto Alentejo, continuam sem registar casos de covid-19.
Na Lezíria do Tejo, a Chamusca mantém um registo de nove casos, entre os quais um óbito a lamentar. A Golegã tem três casos confirmados. No total, a região da Lezíria soma agora 18 óbitos: Santarém (7), Coruche (3), Benavente (2) Salvaterra de Magos (2), Almeirim (1), Chamusca (1), Cartaxo (1) e Alpiarça (1). A Lezíria do Tejo apresentava até às 19:30 de quarta-feira um total acumulado de 458 doentes, dos quais 180 casos no concelho de Santarém, segundo dados da Rede Regional.
O distrito de Santarém soma, às 18:30 de hoje, 674 casos (458 na Lezíria do Tejo e 216 no ACES Médio Tejo), e um total de 20 óbitos (18 na Lezíria e dois no ACES Médio Tejo).  A Lezíria do Tejo apresenta um total de 305 doentes recuperados e o ACES Médio Tejo tem 114, o que dá um total de 419 pessoas recuperadas do vírus.

Covid-19 | Portugal com 1.447 mortos e 33.261 infetados

Portugal regista hoje 1.447 mortes relacionadas com a covid-19, mais 11 do que na terça-feira, e 33.261 infetados, mais 366, segundo o boletim epidemiológico divulgado pela Direção-Geral da Saúde.

Em comparação com os dados de terça-feira, em que se registavam 1.436 mortos, hoje constatou-se um aumento de óbitos de 0,8%. Já os casos e infeção subiram 1,1%.

Na Região de Lisboa e Vale do Tejo, onde se tem registado maior número de surtos, há mais 335 casos de infeção (+2,9%).

A região Norte continua a registar o maior número de infeções, totalizando 16.804, seguida pela região de Lisboa e Vale do Tejo, com 11.828, da região Centro, com 3.765, do Algarve (376) e do Alentejo (260).

Os Açores registam 138 casos de covid-19 e a Madeira contabiliza 90 casos confirmados, de acordo com o boletim hoje divulgado.

A região Norte continua também a ser a que regista o maior número de mortos (796), seguida da região de Lisboa e Vale do Tejo (380), do Centro (240), do Algarve e dos Açores (ambos com 15) e do Alentejo, que regista um óbito, adianta o relatório da situação epidemiológica, com dados atualizados até às 24:00 de terça-feira, mantendo-se a Região Autónoma da Madeira sem registo de óbitos.

Segundo os dados da Direção-Geral da Saúde, 735 vítimas mortais são mulheres e 712 são homens.

Das mortes registadas, 975 tinham mais de 80 anos, 278 tinham entre os 70 e os 79 anos, 128 tinham entre os 60 e 69 anos, 46 entre 50 e 59, 17 entre os 40 e os 49. Há duas mortes registadas entre os 20 e os 29 anos e uma na faixa etária entre os 30 e os 39 anos.

A caracterização clínica dos casos confirmados indica que 428 doentes estão internados em hospitais, menos quatro do que na terça-feira (-0,9%), dos quais 56 em Unidades de Cuidados Intensivos, menos dois (-3,6%).

A recuperar em casa estão 11.307 pessoas.

Os dados da DGS precisam que o concelho de Lisboa é o que regista o maior número de casos de infeção pelo novo coronavírus (2.486), seguido por Vila Nova de Gaia (1.580), Sintra (1.400), Porto (1.361), Matosinhos (1.285), Braga (1.228) e Gondomar (1.086).

Desde o dia 01 de janeiro, registaram-se 331.094 casos suspeitos, dos quais 1.944 aguardam resultado dos testes.

Há 295.889 casos em que o resultado dos testes foi negativo, refere a DGS, adiantando que o número de doentes recuperados subiu para 20.079 (mais 210).

A DGS regista também 28.093 contactos em vigilância pelas autoridades de saúde.

Do total de infetados, 19.070 são mulheres e 14.191 são homens.

A faixa etária mais afetada pela doença é a dos 40 aos 49 anos (5.576), seguida da faixa dos 50 aos 59 anos (5.455) e das pessoas com idades entre os 30 e os 39 anos (5.051).

Há ainda 4.615 doentes acima dos 80 anos, 4.451 com idades entre os 20 e os 29 anos, 3.600 entre os 60 e 69 anos e 2.649 entre 70 e 79 anos.

A DGS regista igualmente 724 casos de crianças até aos nove anos e 1.140 jovens com idades entre os 10 e os 19 anos.

De acordo com a DGS, 39% dos doentes positivos ao novo coronavírus apresentam como sintomas tosse, 29% febre, 21% dores musculares, 20% cefaleia, 15% fraqueza generalizada e 11% dificuldade respiratória.

A pandemia de covid-19 já provocou mais de 380 mil mortos e infetou quase 6,4 milhões de pessoas em todo o mundo.

Mais de 2,7 milhões de doentes foram considerados curados pelas autoridades de saúde.

 

c/LUSA

Mário Rui Fonseca

A experiência de trabalho nas rádios locais despertaram-no para a importância do exercício de um jornalismo de proximidade, qual espírito irrequieto que se apazigua ao dar voz às histórias das gentes, a dar conta dos seus receios e derrotas, mas também das suas alegrias e vitórias. A vida tem outro sentido a ver e a perguntar, a querer saber, ouvir e informar, levando o microfone até ao último habitante da aldeia que resiste.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado.