A Câmara de Constância criticou hoje o “atraso inexplicável na entrega da correspondência” no concelho, situação que se “agudizou nos últimos meses”. Foto ilustrativa: Getty Images

“Nos últimos meses tem-se agudizado um problema que se tem vindo a sentir já há algum tempo, com um atraso considerável na entrega da correspondência no concelho e que tem causado grandes transtornos às populações”, disse hoje à Lusa o presidente da Câmara de Constância, Sérgio Oliveira.

Segundo Sérgio Oliveira (PS), “os sucessivos atrasos na entrega do correio levam a que muitas vezes assuntos de alta responsabilidade, e com prazos para o cumprimento de obrigações e deveres, cheguem aos destinatários fora do prazo, originando situações muito complicadas para os destinatários da correspondência”.

ÁUDIO | SÉRGIO OLIVEIRA, PRESIDENTE CM CONSTÂNCIA:

O autarca, que escreveu um ofício à administração do CTT – Correios de Portugal “a exigir que sejam tomadas medidas para resolver o problema”, relatou situações relacionadas com “prazos que as pessoas têm para cumprir, seja obrigações fiscais, portagens ou consultas médicas”, entre outros.

Ainda de acordo com o presidente da Câmara de Constância, a si próprio uma carta para o pagamento do Imposto Municipal sobre Imóveis (IMI) chegou duas semanas depois do prazo.

“Há pessoas que chegam a estar um mês sem receber correspondência e depois recebem 19 cartas no mesmo dia”, acrescentou Sérgio Oliveira, reiterando que, no ofício enviado à administração dos CTT, a Câmara Municipal “manifestou o seu profundo descontentamento” por esta situação, “exigindo que sejam tomadas medidas imediatas para solucionar os problemas que estão identificados há anos”.

“O que se pede aos responsáveis dos CTT é que efetivamente sejam tomadas medidas concretas para inverter esta situação para que o serviço volte a ter a qualidade que tinha e que perdeu nos últimos tempos”, salientou.

A agência Lusa questionou os CTT, mas até ao momento ainda não recebeu resposta aos esclarecimentos solicitados.

Mário Rui Fonseca

A experiência de trabalho nas rádios locais despertaram-no para a importância do exercício de um jornalismo de proximidade, qual espírito irrequieto que se apazigua ao dar voz às histórias das gentes, a dar conta dos seus receios e derrotas, mas também das suas alegrias e vitórias. A vida tem outro sentido a ver e a perguntar, a querer saber, ouvir e informar, levando o microfone até ao último habitante da aldeia que resiste.

Agência Lusa

Agência de Notícias de Portugal

Entre na conversa

1 Comentário

  1. No Concelho de Constância, bem como em todo o País, este problema está identificado praticamente deste a privatização dos CTT efetuada pelo governo de Passos Coelho.
    Mesmo assim, com milhares de reclamações por todo o País onde se incluem moções aprovadas pela Assembleia Municipal de Constância ao longo dos anos, o governo do Partido Socialista decidiu renovar o contrato de concessão ao Grupo Mello. Espero que o atual Presidente da Câmara tenha igualmente reclamado a situação junto do governo do seu Partido.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *