Manuel Valamatos, presidente dos SMAS, recebe a distinção de selo de qualidade. Foto: Paulo Seabra

Os SMA – Serviços Municipalizados de Abrantes, foram a única entidade municipal do país a ser distinguida com o Selo de Qualidade em Gestão de Resíduos Urbanos, tendo o certificado sido recebido no dia 19 de abril pelo presidente do Conselho de Administração dos SMA, Manuel Jorge Valamatos, durante o 12.º Fórum Nacional de Resíduos, em Lisboa, anunciou hoje a autarquia.

Em comunicado, a Câmara de Abrantes refere que esta distinção pela qualidade na gestão e prestação dos serviços é atribuída anualmente pela Entidade Reguladora dos Serviços de Águas e Resíduos (ERSAR), em parceria com o Jornal Água & Ambiente, tendo como objetivo identificar, distinguir e divulgar casos portugueses de referência relativos à prestação dos serviços de abastecimento público de água, saneamento de águas residuais urbanas e gestão de resíduos urbanos.

Na imagem, o presidente do Conselho de Administração dos SMA, Manuel Jorge Valamatos; o Chefe de Divisão de Obras e Exploração, Mariz Marques, e a Técnica dos SMA, Sandra Rodrigues. Foto: Paulo Seabra

“Para conquistarem o selo, reportando-se a dados de 2016, as entidades gestoras de gestão de resíduos urbanos tiveram de assegurar o cumprimento de um conjunto de critérios, previstos no regulamento publicado no site da ERSAR, são avaliados pelo júri vários indicadores de qualidade de serviço aplicáveis relativos à adequação da interface com o consumidor e à sustentabilidade ambiental, bem como os índices de satisfação relativamente à acessibilidade física do serviço, reciclagem de resíduos de recolha seletiva e cobertura dos gastos”, pode ler-se na mesma informação.

Na nota informativa, a autarquia dá ainda conta que “este galardão irá, certamente, constituir um incentivo quer para a entidade que faz a gestão, quer para os cidadãos, no esforço coletivo de incremento de boas práticas no que diz respeito à gestão de resíduos, nomeadamente realizando a recolha seletiva e o bom uso dos equipamentos”.

Mário Rui Fonseca

A experiência de trabalho nas rádios locais despertaram-no para a importância do exercício de um jornalismo de proximidade, qual espírito irrequieto que se apazigua ao dar voz às histórias das gentes, a dar conta dos seus receios e derrotas, mas também das suas alegrias e vitórias. A vida tem outro sentido a ver e a perguntar, a querer saber, ouvir e informar, levando o microfone até ao último habitante da aldeia que resiste.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado.