Bloco de partos do CHMT, em Abrantes, vai funcionar sem constrangimentos até final do ano. Foto: DR

A maternidade do Centro Hospitalar do Médio Tejo (CHMT), em Abrantes, vai estar a funcionar sem interrupções neste final de ano e até início de janeiro, anunciou a tutela. Já os blocos de parto dos hospitais de Caldas da Rainha, Loures, Barreiro, Beja e Portimão vão estar encerrados entre as 08:00 de sexta-feira e as 08:00 de 02 de janeiro.

O encerramento destes blocos de parto consta do plano hoje divulgado pela direção executiva do Serviço Nacional de Saúde (SNS) para o funcionamento das maternidades em Portugal continental durante a quadra festiva do Ano Novo.

Segundo o plano, designado como segunda fase de “Nascer em segurança no SNS”, os blocos de parto dos hospitais das Caldas da Rainha, de Loures, do Barreiro, de Beja e de Portimão estarão encerrados entre as 08:00 de 30 de dezembro e as 08:00 de 02 de janeiro.

A funcionarem sem interrupção estarão 33 maternidades – 13 no Norte, sete no Centro, 10 em Lisboa e Vale do Tejo, duas no Alentejo e uma no Algarve.

Nestas condições, na região Norte, serão as maternidades de Bragança, Vila Real, Viana Castelo, Braga, Guimarães, Vila Nova de Famalicão, Póvoa de Varzim, Matosinhos, Penafiel, Porto (hospitais São João e Santo António), Vila Nova de Gaia e Santa Maria da Feira.

Na região Centro estarão abertas sem condicionamentos as maternidades de Aveiro, Coimbra, Viseu, Leiria, Guarda, Castelo Branco e Covilhã.

Nos mesmos termos, em Lisboa e Vale do Tejo, constam as maternidades de Abrantes, Santarém, Vila Franca de Xira, Lisboa (hospitais de Santa Maria e São Francisco Xavier e Maternidade Alfredo da Costa), Amadora-Sintra, Cascais, Almada e Setúbal.

Sem constrangimentos estarão também as maternidades de Évora e Portalegre, na região do Alentejo, e de Faro, no Algarve.

Em comunicado, a direção executiva do SNS refere que na primeira fase da operação “Nascer em segurança no SNS”, que decorreu no período do Natal, entre as 08:00 de sexta-feira passada e as 08:00 de hoje, estiveram a funcionar ininterruptamente 29 blocos de parto, “tendo a rede do SNS assegurado uma resposta articulada a todas as utentes que recorreram aos serviços de saúde”.

Segundo a nota, não se verificaram irregularidades e nasceram neste período, no SNS, 366 bebés.

A direção executiva do SNS irá avaliar os resultados da organização da rede de obstetrícia feita para o Natal e Ano Novo para efeitos de “decisões seguintes”, nomeadamente “o funcionamento desta rede de referenciação no primeiro trimestre de 2023”.

Mário Rui Fonseca

A experiência de trabalho nas rádios locais despertaram-no para a importância do exercício de um jornalismo de proximidade, qual espírito irrequieto que se apazigua ao dar voz às histórias das gentes, a dar conta dos seus receios e derrotas, mas também das suas alegrias e vitórias. A vida tem outro sentido a ver e a perguntar, a querer saber, ouvir e informar, levando o microfone até ao último habitante da aldeia que resiste.

Agência Lusa

Agência de Notícias de Portugal

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *