Foto: CM Tomar

O PSD de Tomar apresentou uma proposta de revitalização do Parque Empresarial de Tomar, lembrando que após a nova designação enquanto PET, corria o ano 2014, foram anunciadas medidas que não se concretizaram.

Na proposta, apresentada por Luís Ramos (PSD), refere-se que “a Zona Industrial de Tomar, situada na freguesia da Madalena-Beselga, foi criada no início da década de 80 do século passado. Desde 2014 passou a designar-se Parque Empresarial de Tomar (PET) e foi aprovado um novo regulamento. Nesse ano foram anunciadas uma série de medidas para esse espaço, mas nenhuma se concretizou”.

“O mesmo aconteceu em 2016, ano em que a Câmara anunciou a apresentação de uma candidatura a fundos comunitários, em conjunto com outros parceiros, incluindo a REFER, para “expansão e melhoria substancial do Parque Empresarial”, prometendo-se a “valorização da capacidade produtiva do Concelho”.

A candidatura de 5 milhões não avançou, nem as melhorias prometidas se concretizaram”, continuou.

Assim, o PSD sublinhou “a importância de revitalizar e valorizar o Parque Empresarial de Tomar, espaço que merece mais atenção, dado o seu enorme potencial e a sua excelente localização”.

Entre as medidas propostas consta a “instalação de sinalética identificadora das empresas, bem como outdoors com uma planta do espaço indicando a localização das empresas, estudo da possibilidade de criação de áreas de expansão, a Norte e a Sul, onde há terrenos disponíveis, criação de um micro-site ou um portal na Internet especificamente para o PET com toda a informação sobre os lotes disponíveis, as empresas instaladas, o regulamento, os apoios que o Município pode dar, etc”.

Outra medida prende-se com a possibilidade de “criar um sistema de videovigilância, ou estudar outra forma que garanta mais condições de segurança, que se proceda à limpeza das ervas e dos detritos espalhados pela área, que seja criada uma área de serviços de apoio às centenas de pessoas que ali trabalham, às empresas e aos visitantes e que seja reforçada a informação (por exemplo, com outdoors junto à A13 e à EN110) sobre a existência do parque empresarial de Tomar”.

Após a apresentação da proposta, Anabela Freitas (PS), autarca tomarense, lembrou a proposta de aplicação de derrama para 2020, integrada nos documentos previsionais aprovados em Assembleia Municipal, que referia que cerca de 50% do valor obtido pelo lançamento de derrama seria aplicado exclusivamente na zona industrial e no Palácio de Alvim.

Anabela Freitas referiu que há para já um montante de 300 mil euros disponível da derrama para ser aplicado em intervenções faseadas no Parque empresarial, onde se irá intervir na sinalética, contratar uma empresa para limpeza das ervas e já houve reuniões com a Tagusgás para instalação de gás natural. A autarca deu ainda conta de se estar a visitar os empresários para confirmar as necessidades mais prementes.

Por outro lado, os serviços da autarquia estão a avaliar a implantação de duas rotundas no espaço.

A presidente da Câmara não deixou de referir que existem muitas questões cuja resolução deve partir dos próprios empresários, uma vez que são parte de uma Associação de Empresários, nomeadamente quanto à vigilância do parque.

A proposta do PSD será discutida e votada na próxima reunião de Câmara.

Joana Rita Santos

Formada em Jornalismo, faz da vida uma compilação de pequenos prazeres, onde não falta a escrita, a leitura, a fotografia, a música. Viciada no verbo Ir, nada supera o gozo de partir à descoberta das terras, das gentes, dos trilhos e da natureza... também por isto continua a crer no jornalismo de proximidade. Já esteve mais longe de forrar as paredes de casa com estantes de livros. Não troca a paz da consciência tranquila e a gargalhada dos seus por nada deste mundo.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado.